Notícias Negócios

Elon Musk dá ultimato a funcionários de Tesla e SpaceX sobre trabalho remoto

Musk cobra mínimo de 40 horas semanais no escritório; CEO diz que quem não concorda pode ir para outra empresa e "fingir que trabalha"

Giovanni Santa Rosa
Por

As melhores ofertas,
sem rabo preso

Elon Musk está de volta às manchetes, e dessa vez, não é devido ao imbróglio da compra do Twitter. O CEO da Tesla e da SpaceX enviou um e-mail aos funcionários dizendo que o trabalho remoto não é mais aceitável. Quem não quiser ficar pelo menos 40 horas semanais no escritório deve deixar a empresa.

Elon Musk
Elon Musk (Imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)

As informações estão em um e-mail enviado aos trabalhadores da Tesla que acabou vazando. No Twitter, sua rede social de preferência, Musk não negou as informações, dizendo apenas que “eles devem fingir que trabalham em outro lugar”.

Outra exigência é que o trabalho seja feito no escritório da Tesla relacionado a suas funções, não em um braço distante da companhia. O executivo ressalta que as 40 horas semanais exigidas são menos que o cobrado dos trabalhadores das fábricas.

Em uma segunda mensagem, Musk conta que ele mesmo quase morou na fábrica da Tesla, e que esse foi o motivo de a empresa ter sobrevivido. “Obviamente, há empresas que não exigem isso, mas quando foi a última vez que elas entregaram um produto novo excelente? Já faz um tempo”, diz ele no e-mail.

Musk considera que pode haver exceções, mas que elas precisam ser avaliadas individualmente.

Mais tarde, o jornal The New York Times obteve informações de que mensagens praticamente idênticas foram enviadas aos funcionários da SpaceX, incluindo a parte sobre praticamente morar na fábrica.

Trabalho remoto ganhou espaço na pandemia

A Tesla de Elon Musk adotou o trabalho remoto no início da pandemia, para todas as funções em que isso era possível. Mesmo com a melhora nos indicadores de saúde pública, a abordagem da montadora de veículos elétricos destoa de outras empresas dos EUA.

A Apple, por exemplo, pretendia adotar gradualmente um modelo híbrido de trabalho. Os funcionários deveriam trabalhar do Apple Park pelo menos três vezes por semana. No entanto, houve uma mudança de planos.

A alta nos casos de COVID-19 na Califórnia (EUA) fez a companhia desacelerar o retorno. Ela adiou a volta, passou a exigir máscaras no escritório e liberou novamente o trabalho remoto.

Antes disso, funcionários não se mostraram muito contentes com a perspectiva do trabalho presencial. Um caso emblemático foi o de Ian Goodfellow, diretor de machine learning. Ele se demitiu e disse que sua equipe merecia mais flexibilidade.

Com informações: The Verge, Bloomberg, Electrek, The New York Times.

Giovanni Santa Rosa

Giovanni Santa Rosa é formado em jornalismo pela ECA-USP e cobre ciência e tecnologia desde 2012. Foi editor-assistente do Gizmodo Brasil e escreveu para o UOL Tilt e para o Jornal da USP. Cobriu o Snapdragon Tech Summit, em Maui (EUA), o Fórum Internacional de Software Livre, em Porto Alegre (RS), e a Campus Party, em São Paulo (SP). Atualmente, é autor no Tecnoblog.

Mais Populares

Responde

Relacionados

Em destaque