Notícias Antivírus e Segurança

TSE alerta sobre golpe do título de eleitor “cancelado” recebido por mensagem

Tribunal Superior Eleitoral divulgou alerta nesta quarta-feira (21); órgão diz que todas as mensagens são maliciosas e visam capturar dados sensíveis para aplicar golpes

Yan Avelino
Por

As melhores ofertas,
sem rabo preso

Nesta quarta-feira (21), o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) divulgou um importante alerta: criminosos estão aplicando golpes em nome do órgão a fim de obter dados de eleitores. Segundo o TSE, a fraude chega por email ou por aplicativos de mensagens e tenta enganar as pessoas ao dizer que seus títulos de eleitor foram cancelados provisoriamente.

Celulares roubados são porta para fraudes financeiras (Imagem: Gilles Lambert/Unsplash)
TSE diz que mensagens são maliciosas e visam capturar dados sensíveis para aplicar golpes. (Imagem: Gilles Lambert/Unsplash)

A Corte explica que o golpe funciona assim: a potencial vítima recebe uma mensagem de que seu título foi cancelado de forma temporária. No fim do texto, há um link que a leva para uma página em que supostamente poderá regularizar sua situação eleitoral.

Essa regularização, contudo, só é feita quando as pessoas informam seus dados pessoais, como o CPF, por exemplo. O Tribunal Superior Eleitoral é enfático: “Todas essas mensagens são maliciosas e visam capturar informações para aplicar golpes.”

É importante frisar que a Justiça Eleitoral jamais comunica o cancelamento de títulos de eleitor ou alguma irregularidade cadastral mediante mensagens de e-mail ou aplicativos como WhatsApp ou Telegram. Além disso, nenhum dado pessoal é solicitado por esses meios.

Quem precisar de informações sobre seu cadastro eleitoral, deve conferi-las por conta própria no portal ou no aplicativo oficial do TSE. Apenas em casos de processos judiciais e na convocação de mesários, o órgão poderá entrar em contato por email ou por apps de mensagens.

Por fim, o Tribunal frisa a importância de checar se os sites ou os aplicativos acessados pertencem mesmo aos órgãos oficiais. Para isso, basta observar se eles contêm a terminação “.jus.br” no endereço.

Especialistas também alertam para riscos

Ainda no comunicado, o TSE informou que golpes como esse não são novos e disse que é procurado “frequentemente”.

Para Daniel Barbosa, especialista em segurança da informação da ESET, datas como as eleições são extensivamente aproveitadas por criminosos. Ele diz que, como a atenção das pessoas está voltada para (esse acontecimento), golpistas tentam atrair as vítimas para obter dados sensíveis.

O objetivo dos criminosos é lucrar essas informações ou usá-las para outras fraudes. Uma característica comum desses golpes, segundo Barbosa, é justamente o recebimento de links que redirecionam a vítima a sites externos.

O especialista alerta que, neste caso, o ideal é sempre desconfiar, procurar por informações em fontes oficiais e nunca informar dados sensíveis para contatos desconhecidos ou sites maliciosos.

Com informações: Tribunal Superior Eleitoral

Yan Avelino

Repórter

Yan Avelino é natural de Recife (PE) e estuda Jornalismo na UNINASSAU. Foi repórter do Portal Tracklist em 2020 e do MacMagazine, onde cobriu a WWDC em 2021. Também passou pela TV Guararapes, emissora afiliada à RecordTV em Pernambuco, atuando como produtor de reportagem da versão local do Cidade Alerta. Atualmente, é repórter do Tecnoblog.