Microsoft quer abraçar o mercado de jogos mobile com uma loja própria

Loja digital de jogos para mobile seria uma parte importante na aquisição da Activision Blizzard; esse mercado é hoje dominado por Apple e Google

Ricardo Syozi
Por
Xbox Cloud Gaming (Imagem: Reprodução/Pocketlint)
Xbox Cloud Gaming (Imagem: Reprodução/Pocketlint)

Algumas informações recentes sugerem uma nova empreitada da Microsoft no mundo dos games. Parece que a companhia de Redmond tem o interesse em lançar uma loja online de jogos para dispositivos móveis. Isto seria um produto muito similar ao já oferecido pelas concorrentes Apple e Google. Contudo, a dona do Xbox quer antes concluir a aquisição da Activision Blizzard.

Durante a investigação da CMA (uma autoridade sobre competições de mercado no Reino Unido) sobre a compra da dona de franquias como Call of Duty e Warcraft, a instituição pediu um contexto geral sobre as intenções da Microsoft.

Uma das respostas veio com informações interessantes sobre uma possível loja própria de games para celulares. Nas palavras da empresa:

A transação melhoraria a capacidade da Microsoft de criar uma loja de jogos de próxima geração que opera em uma variedade de gadgets, incluindo o celular, como resultado da adição do conteúdo da Activision Blizzard. Com base nas comunidades de gamers existentes dessa empresa, o Xbox buscará escalar a sua loja digital para o mobile, atraindo jogadores para uma nova ‘Plataforma Móvel Xbox’. Afastar os consumidores da Google Play Store e App store em dispositivos móveis, no entanto, exigirá uma grande mudança no comportamento do consumidor.

Vale prestar atenção na nomenclatura escolhida: “nova Plataforma Móvel Xbox”. Ou seja, está claro que a companhia de Redmond está com um planejamento de criar esse produto específico para smartphones e similares. Porém, ela precisaria começar com o pé direito.

Loja própria aumentaria os números da plataforma Xbox

Se pararmos para refletir, a compra da Activision Blizzard acabaria oferecendo à Microsoft, da noite para o dia, uma base instalada de jogadores que têm os dispositivos móveis como a plataforma de preferência.

Títulos como Call of Duty: Mobile e Candy Crush Saga adicionariam mais de 300 milhões de usuários mensais ao ecossistema do Xbox, por exemplo. Isso sem contar novas empreitadas para celulares de franquias como Gears of War e Halo.

Centralizar todas as produções na marca de jogos da empresa faz todo o sentido, ainda mais se lembrarmos dos esforços recentes, tanto em cloud gaming quanto no serviço Game Pass. No entanto, resta saber como isso seria implantado dentro de um mercado que visa as microtransações como um dos principais pontos de monetização.

Com informações: The Verge.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Ricardo Syozi

Ricardo Syozi

Repórter

Ricardo Syozi é jornalista apaixonado por tecnologia e especializado em games atuais e retrôs. Já escreveu para veículos como Nintendo World, WarpZone, MSN Jogos, Editora Europa e VGDB. Possui ampla experiência na cobertura de eventos, entrevistas, análises e produção de conteúdos no geral. Entrou para o Tecnoblog em 2021.

Relacionados