YouTube bloqueado na Amazon

Amazon e Google não se deram bem nos últimos tempos. A gigante do varejo não vende o Chromecast, o Google Home e vários produtos da Nest. O Google passou a exibir uma mensagem nos dispositivos Fire TV para avisar aos usuários que o YouTube irá parar de funcionar a partir de 1º de janeiro de 2018. Mas a relação entre os dois voltou a melhorar.

A empresa de Jeff Bezos confirmou ao CNET que voltou a listar a Apple TV, o Chromecast e o Chromecast Ultra — até então, se você fizesse uma busca na Amazon por esses produtos, é como se eles nem existissem. O Amazon Prime Video ganhou compatibilidade com a Apple TV na semana passada, mas ainda não suporta o Google Cast.

O posicionamento do Google, que reclamava da “falta de reciprocidade” da Amazon até a semana passada, foi bem mais amigável. A empresa diz que está em “discussões produtivas com a Amazon para chegar a um acordo que beneficie nossos clientes em comum”, acrescentando que espera “chegar a um acordo para resolver essas questões em breve”.

Agora que as duas empresas estão voltando a se entender, é provável que tenhamos boas novidades. O suporte ao YouTube no Amazon Echo Show é terrível. No Fire TV, o serviço de vídeos até que funciona bem, mas é uma gambiarra que envolve acessar o site para TVs do YouTube (e que pode ser facilmente bloqueada pelo Google, como bem vimos).

Além disso, a volta do Chromecast sinaliza o suporte do serviço de streaming da Amazon às set-top boxes do Google. Em outubro de 2015, a Amazon havia parado de vender a Apple TV e o Chromecast com a justificativa de “evitar confusões por parte dos consumidores”, já que esses dispositivos não rodavam o Prime Video.

Relacionados

Autor(a)

Paulo Higa

Paulo Higa

Ex-editor executivo

Paulo Higa é jornalista com MBA em Gestão pela FGV e uma década de experiência na cobertura de tecnologia. No Tecnoblog, atuou como editor-executivo e head de operações entre 2012 e 2023. Viajou para mais de 10 países para acompanhar eventos da indústria e já publicou 400 reviews de celulares, TVs e computadores. Foi coapresentador do Tecnocast e usa a desculpa de ser maratonista para testar wearables que ainda nem chegaram ao Brasil.