Netflix pode ser obrigada pela Ancine a ter cota de filmes brasileiros

Lucas Braga
Por
• Atualizado há 7 meses

Depois de complicar um pouco a vida das operadoras de TV por assinatura, a Ancine (Agência Nacional do Cinema) quer empurrar uma cota de filmes brasileiros para serviços de vídeo sob demanda. A medida afetaria o Netflix e serviços exclusivos para assinantes de TV por assinatura, como HBO Go e Telecine Play.

Assim como na cota obrigatória das TVs por assinatura, pelo menos 30% dos filmes nos catálogos dos serviços online devem ser brasileiros se a ideia for levada adiante. Em tese, isso beneficiaria a produção nacional audiovisual, mas considerando o que ocorreu com as empresas de TV paga, a programação de conteúdos estrangeiros pode diminuir e o preço dos pacotes, aumentar.

Esta regra faria parte da nova regulamentação de serviços com conteúdo sob demanda, que ainda não possui nenhuma legislação específica no país. A medida poderia enquadrar tais serviços como competidores das TVs por assinatura. A princípio, isso não é bom, pois traria um peso maior para o bolso do consumidor – cobrança de novos impostos poderia surgir daí.

Atualmente, a versão brasileira do Netflix possui 3.998 vídeos em seu acervo. Na categoria de filmes nacionais, há 189 produções, mais 68 títulos relacionados a músicas brasileiras. Com a regra dos 30%, pelo menos 1.199 destes vídeos deveriam ser de produção local. A empresa teria então duas opções: aumentar consideravelmente seu catálogo para se enquadrar nas regras ou deixar de oferecer filmes estrangeiros até conseguir atingir a meta estabelecida.

Procurada pela Folha de S.Paulo, a Ancine não comentou o assunto.

Receba mais sobre Brasileiros na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Lucas Braga

Lucas Braga

Repórter especializado em telecom

Lucas Braga é analista de sistemas que flerta seriamente com o jornalismo de tecnologia. Com mais de 10 anos de experiência na cobertura de telecomunicações, lida com assuntos que envolvem as principais operadoras do Brasil e entidades regulatórias. Seu gosto por viagens o tornou especialista em acumular milhas aéreas.

Canal Exclusivo

Relacionados