Apple estuda maneiras de cobrar taxa de sideloading no iPhone, diz jornal

Aplicativos instalados por fora da App Store poderiam passar pela avaliação da gigante de tecnologia, segundo o Wall Street Journal

Felipe Freitas
Por
• Atualizado há 3 meses
Ícone da App Store
Apple tentará cobrar taxa até mesmo de apps de fora da App Store (Imagem: Vitor Pádua / Tecnoblog)

Mesmo que seja obrigada a liberar o sideloading, a Apple ainda pretende cobrar taxa dos desenvolvedores. Além disso, a big tech estuda um meio de seguir realizando as avaliações dos apps — ótimo para os usuários, ruim para alguns devs. A empresa está analisando as opções diante de uma mudança que entrará em vigor no dia 7 de março nos países da União Europeia, de acordo com o Wall Street Journal.

O sideloading é uma exigência da Lei de Mercado Digitais, que obriga que grandes big techs adotem políticas mais favoráveis ao consumidor e que diminuam possíveis monopólios. A definição de grandes plataformas é baseada na quantidade de usuários diários, o que fará com que até o Pornhub e Xvideos seguirem as normas.

Formato de cobrança ainda é um mistério

App Store, Facebook e Google (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)
Para baixar o Google e o Facebook no iPhone você precisa da App Store, mas sideloading permitiria usar outras lojas (Imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

O jornal não teve acesso aos detalhes de como a cobrança será feita. O sideloading é a ação de instalar aplicativos no smartphone fora de uma loja oficial. Na teoria, você também pode baixar o app no computador, passar para o celular (seja por cabo ou outro meio) e instalá-lo.

Entre as hipóteses atuais, ela poderia adotar uma cobrança das outras lojas ou rastrear quais apps foram instalados no iPhone (e outros dispositivos) por meios extraoficiais. A Apple é muito firme na etapa de verificar se um app viola suas políticas e se pode ser um malware.

Quem já trabalhou com apps mobile sabe como é: eles vão revisar cada detalhe do seu aplicativo e pedir correções (se necessário). Isso pode atrasar o tempo de entrega do programa e dar mais trabalho aos devs. Por outro lado, aumenta a confiança do usuário com o App Store, já que o controle de qualidade tenta impedir a presença de apps maliciosos.

Com informações: The Wall Street Journal e MacRumors

Receba mais sobre Apple na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Felipe Freitas

Felipe Freitas

Repórter

Felipe Freitas é jornalista graduado pela UFSC, interessado em tecnologia e suas aplicações para um mundo melhor. Na cobertura tech desde 2021 e micreiro desde 1998, quando seu pai trouxe um PC para casa pela primeira vez. Passou pelo Adrenaline/Mundo Conectado. Participou da confecção de reviews de smartphones e outros aparelhos.

Relacionados