Disney+ permitirá compartilhamento de senhas por enquanto

A Disney entende que o compartilhamento de senhas entre usuários "existe e continuará existindo"

Victor Hugo Silva
Por
• Atualizado há 2 anos e 5 meses
Interface na TV (Imagem: Divulgação/Disney+)

O Disney+ foi lançado na terça-feira (12) e, apesar do pouco tempo de existência, já precisa lidar com o compartilhamento de senhas, algo feito por muitos para economizar com assinaturas. Ao menos por enquanto, a plataforma não colocará tantas restrições a esta prática.

Voltado para toda a família, o Disney+ suporta a criação de até sete perfis em um único plano, com até quatro transmissões simultâneas. Muitas famílias não usarão todo o limite e poderão acabar dividindo sua senha com amigos, mas isso não parece ser um problema para a Disney.

“O compartilhamento de senhas é definitivamente algo em que pensamos”, afirmou o presidente da Disney Streaming Services, Michael Paull, segundo o The Verge. O executivo acredita que os usuários reconhecerão o que recebem com a assinatura e usarão o serviço de uma forma equilibrada.

“Acreditamos que os consumidores verão esse valor e agirão de acordo”, continuou. “Eles vão usar essas contas para suas famílias e residências. Dito isto, reconhecemos que o compartilhamento de senhas existe e continuará existindo”.

Apesar de ser tolerante com a prática de dividir contas, o Disney+ já possui meios para impedir que ela se torne um obstáculo para seu crescimento. A ideia é entender o comportamento dos usuários e, caso necessário, implementar formas de coibir a ação.

O Disney+ custa US$ 6,99 por mês ou US$ 69,90 por ano nos Estados Unidos. Ele oferece um catálogo com 600 títulos, incluindo 16 filmes da Marvel e os Episódios I a VII de Star Wars. O serviço deverá chegar ao Brasil somente em novembro de 2020.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Victor Hugo Silva

Victor Hugo Silva

Ex-autor

Victor Hugo Silva é formado em jornalismo, mas começou sua carreira em tecnologia como desenvolvedor front-end, fazendo programação de sites institucionais. Neste escopo, adquiriu conhecimento em HTML, CSS, PHP e MySQL. Como repórter, tem passagem pelo iG e pelo G1, o portal de notícias da Globo. No Tecnoblog, foi autor, escrevendo sobre eletrônicos, redes sociais e negócios, entre 2018 e 2021.

Canal Exclusivo

Relacionados