Exclusivo: QCY vai combater fones de ouvido importados irregularmente

Revendedores não oficiais têm causado transtornos aos clientes brasileiros com atrasos na entrega e problemas no pós-venda.

Lupa Charleaux
Por
• Atualizado há 5 meses
Caixas de Fones de ouvido da QCY
Marca chinesa e importadora oficial trabalham para retirar lojas não autorizadas do ar (Imagem: Divulgação/QCY)

A chinesa QCY conquistou o público internacional com um portfólio com diferentes opções de fones de ouvido TWS e relógios inteligentes. O sucesso da marca chegou ao Brasil, onde a empresa Blue Whale atua como importadora oficial dos produtos da fabricante desde 2021.

Entretanto, nos últimos meses, a companhia sob o nome comercial QCY Brasil enfrenta um inimigo difícil: perfis e lojas falsas que se passam por revendedores autorizados. Os farsantes interferem diretamente na expansão da marca no mercado brasileiro ao lesar clientes de diferentes maneiras.

Para esclarecer o assunto e orientar os consumidores, o Tecnoblog conversou com exclusividade com representantes da QCY diretamente da China e com a equipe da importadora QCY Brasil. A seguir, explicamos os meios de atuação dos perfis falsos e como os clientes podem evitar dores de cabeça ao adquirir produtos da marca.

Comunicado da QCY Brasil destaca os perfis autorizados pela empresa chinesa
Comunicado da QCY Brasil destaca os perfis não autorizados pela empresa chinesa (Imagem: Reprodução/Instagram)

Perfis falsos agem nas redes sociais

As supostas lojas autorizadas da QCY realizam grande investimento em marketing nas redes sociais. Inúmeros posts patrocinados com artes e vídeos extremamente atraentes são veiculados para pessoas que buscam sobre produtos da marca. Com isso, os clientes acessam as páginas e, por consequência, adquirem itens em sites não oficiais ou marketplaces sem relação com a empresa chinesa.

As lojas não autorizadas têm causado transtornos aos consumidores. São comuns casos de falsos prazos de entrega, falhas no pós-venda e até envio de produtos falsificados. Isso prejudica diretamente a operação e a credibilidade da importadora oficial da marca.

“Nos últimos meses, recebemos inúmeras reclamações e denúncias de clientes que acreditavam ter comprado nas lojas oficiais. São diversos problemas que afetam a experiência que gostaríamos de proporcionar aos brasileiros”, explica Tailís Redondo, representante de marketing da importadora QCY Brasil.

Fone de Ouvido QCY
Importadora oficial possui um depósito de produtos na cidade de São Paulo (Imagem: Divulgação/QCY)

Diferenças entre a importadora oficial e lojas não autorizadas

Tailís explica que a QCY Brasil faz uma curadoria de produtos mais procurados pelos brasileiros antes do processo de importação. Então, todos os itens recebem a certificação da Anatel e, ao chegarem ao Brasil, ficam em um depósito na cidade de São Paulo.

Após essas etapas, os fones de ouvido e smartwatches são disponibilizados na loja oficial da importadora e em marketplaces autorizados (Mercado Livre, Shopee e Amazon). Essa estratégia permite o envio rápido para clientes brasileiros.

As lojas não autorizadas seguem outra dinâmica. Os pedidos são importados diretamente da China e podem demorar meses para chegar ao Brasil. E tem mais: “recentemente, chegou ao nosso conhecimento que um número enorme de produtos foi impedido de entrar no país por não estarem de acordo com as novas leis de importação. Isso prejudica os consumidores que optaram por comprar em uma loja que julgaram confiável”, comenta Tailís.

Fone de ouvido QCY T13
QCY lamenta a confusão causada aos clientes (Imagem: Divulgação/QCY)

QCY tomará medidas para combater falsos revendedores

O Tecnoblog entrou em contato com a QCY China para entender a situação da marca no Brasil. Então, o porta-voz da fabricante revelou estar ciente dos problemas relacionados aos vendedores não autorizados.

Ele afirmou que uma empresa brasileira está usando sem autorização a marca registrada no INPI em 2016 para atividades comerciais no país. Tanto a QCY China quanto a QCY Brasil possuem equipes jurídicas atuando para remover perfis e lojas não oficiais.

O porta-voz lamentou que uma marca global como a QCY não tenha identificado o problema a tempo e causado confusão nos clientes brasileiros. Ademais, a marca deve realizar uma declaração no site e nas redes sociais globais sobre os recentes ocorridos.

“Orientamos os clientes a sempre verificarem os comunicados oficiais da QCY China e QCY Brasil que divulgamos em nossas plataformas, além das avaliações de outros clientes, e não se deixarem enganar pelo marketing nas redes sociais”, complementa Tailís.

Importadora promete prestar suporte aos clientes afetados

A QCY Brasil diz estar analisando os casos de consumidores que adquiriram produtos da marca em sites não autorizados. De acordo com a representante, questões acerca de atrasos e falta de suporte de certas lojas são encaminhadas para o time jurídico.

“Além disso, temos uma equipe dedicada a buscar os canais de atendimento desses vendedores e auxiliar os consumidores no contato para solicitar devoluções, reembolsos e esclarecer dúvidas. O que tem sido uma dificuldade diária”, explica Tailís. 

Por fim, a importadora brasileira afirma que a QCY China e a QCY Brasil estão “100% comprometidas” em evitar que os clientes passem por situações exaustivas e enganosas novamente.

Aviso de ética: ao clicar em um link de afiliado, o preço não muda para você e recebemos uma comissão.

Receba mais sobre Brasil na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Lupa Charleaux

Lupa Charleaux

Repórter

Nerd por natureza, Lupa Charleaux é formado em Jornalismo Multimídia pela São Judas Unimonte (2012). Iniciou a carreira como repórter de entretenimento em 2013, mas migrou para a editoria de tecnologia em 2019. Construiu experiência na área ao produzir notícias diárias sobre eletrônicos (celulares, vestíveis), inovação, mercado e conteúdos especiais sobre os temas. É repórter do Tecnoblog desde outubro de 2023. Anteriormente, atuou como redator de tecnologia e entretenimento no TecMundo (2019-2021/2022-2023) e redator de produtos no Canaltech (2021-2022).

Canal Exclusivo

Relacionados