Nokia Ozo

Depois de vender a sua divisão de dispositivos móveis para a Microsoft, a Nokia passou a se dedicar, prioritariamente, ao setor de telecomunicações e ao desenvolvimento de tecnologias. A câmera de realidade virtual Ozo era um desses projetos. Era, assim mesmo, no passado: a companhia desistiu do equipamento e, por conta disso, vai demitir mais de 300 funcionários.

A Ozo não era uma câmera qualquer. O dispositivo contava com oito sensores de alta resolução distribuídos em uma espécie de globo que, juntos, geravam imagens em 360 graus. Um conjunto de oito microfones tratava de capturar o áudio do ambiente para deixar tudo o mais real possível, permitindo, por exemplo, que o usuário tivesse noção da distância de determinado som.

Depois, bastava colocar o conteúdo gerado em uma aplicação de realidade virtual. Uma loja poderia usar o equipamento para promover visitas virtuais ao interior de uma de suas unidades, por exemplo. A Ozo foi desenvolvida desde o início para atividades profissionais. O preço já deixava isso claro: US$ 60 mil (na época do lançamento, pelo menos).

O que deu errado? Na parte técnica, nada. O vídeo abaixo dá uma boa noção do que a câmera era capaz de fazer. O problema, de acordo com a Nokia, é que o mercado de realidade virtual se desenvolve muito lentamente.

A gente sabe que isso é verdade. Aplicações do tipo até são interessantes, mas, para a maioria dos usuários, não passam de mera curiosidade. Entretanto, o preço cobrado pela Ozo também serviu para esfriar os ânimos, muito provavelmente.

Como consequência, a Nokia pretende se dedicar a segmentos mais rentáveis a partir de agora. Um deles é o mercado de tecnologias para saúde, que tem crescido no mundo todo. O licenciamento de patentes está mantido, assim como o de marca: a parceria com a HMD Global para uso do nome Nokia em celulares (o mais recente é o Nokia 8) continua firme e forte.

Nokia Ozo

Essa mudança de rumos tem uma parte bastante negativa: a Nokia Technologies, divisão responsável pela Ozo, vai perder 310 de seus 1090 empregados que atuam nos Estados Unidos, Reino Unido e Finlândia. A divisão Nokia Networks, que cuida de telecomunicações, não será afetada pelo corte.

As empresas que adquiriram uma câmera Ozo continuarão recebendo suporte.

Com informações: TechCrunch

Relacionados

Autor(a)

Emerson Alecrim

Emerson Alecrim

Repórter

Emerson Alecrim cobre tecnologia desde 2001 e entrou para o Tecnoblog em 2013, se especializando na cobertura de temas como hardware, sistemas operacionais e negócios. Formado em ciência da computação, seguiu carreira em comunicação, sempre mantendo a tecnologia como base. Em 2022, foi reconhecido no Prêmio ESET de Segurança em Informação. Em 2023, foi reconhecido no Prêmio Especialistas, em eletroeletrônicos. Participa do Tecnocast, já passou pelo TechTudo e mantém o site Infowester.