Fintech N26 chega ao fim no Brasil e cartões são cancelados

N26 desistiu do Brasil ao não conseguir enfrentar rivais como Nubank e PicPay; cartões foram cancelados e saldos em conta devem ser transferidos até 18 de dezembro

Emerson Alecrim
Por
Cartão de crédito da N26 tinha bandeira Mastercard (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)
Cartão de crédito da N26 tinha bandeira Mastercard (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

Chegou o dia: todos os cartões de crédito emitidos pela N26 no Brasil serão cancelados nesta quinta-feira (7). De origem alemã, a fintech iniciou as operações brasileiras em 2021 para disputar mercado com plataformas como Nubank e PicPay, mas não teve sucesso. Diante disso, a empresa decidiu sair do país.

Faturas devem ser pagas normalmente

O cancelamento dos cartões de crédito impede que novas compras sejam feitas com eles, obviamente, mas a fintech ressalta que as faturas devem ser pagas normalmente.

Em caso de atraso, haverá incidência de juros e multa sobre o valor devido. Além disso, o não pagamento poderá levar à negativação do usuário (o famoso “nome sujo”), mesmo com a N26 estando inoperante no Brasil.

Se a fatura for fechada quando o aplicativo da N26 não estiver mais funcionando ou se o pagamento estiver sendo feito em parcelas, os boletos correspondentes serão enviados por e-mail.

Empresa recomenda transferência do saldo até o dia 18

Clientes que ainda possuem saldo no aplicativo da N26 têm até 18 de dezembro de 2023 para transferir o valor para uma conta em outra instituição. Após essa data, o app exibirá apenas uma tela que direciona o usuário para um formulário de solicitação de retirada de dinheiro.

Para prevenir fraudes, o formulário exigirá o fornecimento de vários dados, incluindo uma foto para validação facial. O processo é trabalhoso e pode demorar até dez dias úteis para ser concluído. Por isso, é prudente retirar eventuais valores da conta na N26 antes do dia 18.

Informes de rendimento para declaração de imposto de renda serão enviados por e-mail no começo de 2024.

N26 tentou emplacar com conceito de “fincare”

A N26 começou a operar no Brasil em novembro de 2021, inicialmente com os “insiders”, grupo de clientes que se cadastraram para testar a plataforma. Após os testes iniciais, a fintech introduziu o conceito de “fincare”, com o qual tentava se diferenciar de rivais como Nubank, PicPay e Mercado Pago prometendo ajudar o cliente a cuidar do seu dinheiro com planejamento e organização financeira.

Além de um cartão de crédito com bandeira Mastercard Gold, a N26 oferecia uma conta digital que dava direito ao “Spaces”, modalidade com a qual o usuário guardava dinheiro com rendimento de 100% do CDI mais 1% para cada R$ 100 gastos no cartão.

E-mail da N26 com aviso de redução de limite (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)
E-mail da N26 com aviso de redução de limite (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

Porém, as operações da N26 eram limitadas. O aplicativo da fintech apresentava instabilidades com frequência e tinha várias funções ausentes, a exemplo da fatura do cartão, que só podia ser paga com saldo em conta, sem opção de boleto ou Pix.

Outras restrições incluíam falta de integração com serviços como Apple Pay e Google Pay, lista de espera para criação de contas e, para muitos usuários, limite de cartão de crédito baixo ou diminuído com o passar do tempo.

N26 anunciou fim das operações em novembro

Com dificuldades para escalar as operações e atrair investimentos, a N26 anunciou a decisão de sair do Brasil em novembro. Na ocasião, a companhia informou ao Tecnoblog que “a decisão reflete a estratégia da empresa de focar seus esforços nos mercados-chave europeus”. A N26 tinha cerca de 200 mil clientes no país.

Post de despedida da N26 no Instagram (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)
Post de despedida da N26 no Instagram (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

O encerramento das operações no Brasil não é um movimento inédito para a fintech. Em novembro de 2021, mesma época em que iniciava suas operações em território brasileiro, a N26 desistiu de operar nos Estados Unidos, país em que havia chegado em 2019. A necessidade de altos investimentos para manter as operações americanas foi um dos motivos para a decisão.

Relacionados