O desbloqueio por reconhecimento facial do Galaxy S8 não é muito seguro

Paulo Higa
Por
• Atualizado há 3 dias

O Galaxy S8 chega ao mercado com três métodos de autenticação sem senha: além do sensor de impressões digitais, você pode confirmar sua identidade por meio do leitor de íris ou por reconhecimento facial. Mas parece que esse último não é muito seguro: em testes, foi possível desbloquear o aparelho utilizando uma simples foto estática.

A autenticação por reconhecimento facial do Galaxy S8 tem a mesma falha do Android 4.0, de 2011, quando o Google implantou a funcionalidade no sistema pela primeira vez. Posteriormente, o Android passou a exigir que o usuário piscasse para confirmar que estava vivo, mas isso também foi burlado, já que era possível manipular os olhos de uma pessoa no Photoshop.

Este vídeo mostra o Galaxy S8 sendo desbloqueado com uma foto em questão de segundos:

É bom ressaltar que o Galaxy S8 ainda não foi lançado comercialmente (ele começa a ser vendido a partir de 21 de abril), e as unidades de demonstração que estão circulando ainda não rodam o software final — portanto, pode ser que a Samsung corrija a vulnerabilidade antes mesmo que o smartphone chegue às mãos dos consumidores.

Mas a própria Samsung admite que o reconhecimento facial do Galaxy S8 não é muito seguro: ele é o único método que não pode ser utilizado para confirmar um pagamento no Samsung Pay. Então, quando estiver configurando a tela de bloqueio do aparelho, você já sabe qual forma de autenticação não escolher.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Paulo Higa

Paulo Higa

Ex-editor executivo

Paulo Higa é jornalista com MBA em Gestão pela FGV e uma década de experiência na cobertura de tecnologia. No Tecnoblog, atuou como editor-executivo e head de operações entre 2012 e 2023. Viajou para mais de 10 países para acompanhar eventos da indústria e já publicou 400 reviews de celulares, TVs e computadores. Foi coapresentador do Tecnocast e usa a desculpa de ser maratonista para testar wearables que ainda nem chegaram ao Brasil.

Canal Exclusivo

Relacionados