Google é investigado por coletar dados médicos sem autorização dos usuários

Em parceria com a Ascension, o Google acessa dados médicos de milhões de pacientes, mas nenhum deles foi avisado

Emerson Alecrim
Por
• Atualizado há 2 anos e 5 meses
The Pancake of Heaven! / foto do Googleplex / onde fica a sede do google

O Google é alvo de mais uma investigação nos Estados Unidos. Em 2018, a companhia passou a coletar dados médicos de milhões de pessoas no país com base no Project Nightingale, iniciativa que visa criar uma espécie de prontuário digital avançado. O problema é que os pacientes não foram notificados sobre o acesso por parte do Google ao seu histórico de saúde.

A base de dados é fruto de uma parceria com a Ascension, que responde por um dos maiores sistemas de saúde dos Estados Unidos. Entre os dados que o Google tem acesso estão nomes de pacientes, datas de nascimento, resultados de exames, registros de hospitalização, histórico de diagnósticos, entre outros.

De acordo com o Wall Street Journal, cerca de 150 funcionários da Google têm acesso a essas informações desde o final de 2018.

Estima-se que, com esses dados médicos, o Google será capaz de criar um sistema baseado em inteligência artificial que, muito além de dar acesso ao histórico de saúde de cada pessoa, poderá prever os riscos de determinados medicamentos ou fornecer a médicos sugestões para certos tipos de tratamentos, por exemplo.

Embora haja alguma legitimidade nesse movimento — a inteligência artificial vem sendo cada vez mais aplicada à área da saúde —, os críticos do projeto manifestam preocupação com a privacidade do paciente, ainda mais com dados tão sensíveis envolvidos. O fato de pacientes e médicos não terem sido previamente avisados sobre o acordo só piora a situação.

Por conta disso, reguladores americanos informaram que irão investigar a parceria entre Google e Ascension. O objetivo principal é verificar se o Project Nightingale está de acordo com as leis americanas sobre proteção de dados médicos (HIPAA, na sigla em inglês).

No blog do Google Cloud — um dos principais termos do acordo prevê transferência de dados médicos para essa plataforma —, a companhia explica que, a exemplo de outras organizações, a Ascension fechou a parceria com o intuito de obter tecnologia para gerenciar os dados de seus pacientes. A empresa também informa que esse trabalho segue rígidos padrões de privacidade e segurança.

O Google diz ainda que o Project Nightingale respeita todos os regulamentos sobre proteção de dados de pacientes, incluindo as leis HIPAA, e que os dados obtidos com essa parceria jamais serão combinados com as informações de usuários que a companhia detém.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Emerson Alecrim

Emerson Alecrim

Repórter

Emerson Alecrim cobre tecnologia desde 2001 e entrou para o Tecnoblog em 2013, se especializando na cobertura de temas como hardware, sistemas operacionais e negócios. Formado em ciência da computação, seguiu carreira em comunicação, sempre mantendo a tecnologia como base. Em 2022, foi reconhecido no Prêmio ESET de Segurança em Informação. Em 2023, foi reconhecido no Prêmio Especialistas, em eletroeletrônicos. Participa do Tecnocast, já passou pelo TechTudo e mantém o site Infowester.

Canal Exclusivo

Relacionados