O Irã é palco de manifestações contra o governo e a situação econômica do país desde o final de dezembro. Pelo menos dez pessoas já morreram durante os protestos. Para “manter a tranquilidade e a segurança”, o governo está bloqueando aplicativos de comunicação, notavelmente o Telegram e o Instagram.

O Telegram foi bloqueado no domingo (31) depois de se recusar publicamente a desativar alguns canais. O fundador Pavel Durov diz que o Sedaie Mardom, com 1,2 milhão de membros, mantido por “manifestantes iranianos pacíficos”, é um dos que continuam ativos no aplicativo de mensagens.

No entanto, o Telegram afirma que bloqueia centenas de canais violentos diariamente, “certificando-se de que nossas regras sejam aplicadas de forma igual e justa a todos, independentemente do tamanho e de afiliação política”. O @amadnews, que tinha 800 mil membros, pediu para manifestantes usarem armas de fogo e coquetéis molotov contra policiais, e foi suspenso.

O Instagram também está inacessível no país; ele era utilizado por manifestantes para documentar os protestos que ocorriam no Irã. Vale lembrar que outros serviços populares já eram bloqueados há muito tempo: YouTube, Facebook e Twitter, além de sites de notícias, não podem ser acessados; e o governo impede a utilização de aplicativos de VPN e de segurança.

Com informações: Engadget, New York Times.

Relacionados

Autor(a)

Paulo Higa

Paulo Higa

Ex-editor executivo

Paulo Higa é jornalista com MBA em Gestão pela FGV e uma década de experiência na cobertura de tecnologia. No Tecnoblog, atuou como editor-executivo e head de operações entre 2012 e 2023. Viajou para mais de 10 países para acompanhar eventos da indústria e já publicou 400 reviews de celulares, TVs e computadores. Foi coapresentador do Tecnocast e usa a desculpa de ser maratonista para testar wearables que ainda nem chegaram ao Brasil.