Microsoft diz que hackers iranianos tentam atacar eleições de 2020 nos EUA

Microsoft descobre evidências de que cibercriminosos tentaram acessar e-mail associado a candidato à presidência

Paulo Higa
Por
• Atualizado há 2 anos e 5 meses
Microsoft Forensics Lab
Microsoft Forensics Lab

Os Estados Unidos terão eleições presidenciais em 2020 e as interferências tecnológicas já começaram: nesta sexta-feira (4), a Microsoft anunciou que encontrou evidências de que cibercriminosos ligados ao governo iraniano tentaram acessar indevidamente uma conta de um candidato à presidência.

Segundo a Microsoft, um grupo realizou mais de 2.700 tentativas de identificar endereços de e-mail ligados a clientes específicos da empresa durante um período de 30 dias entre agosto e setembro. O nome do grupo não foi divulgado, mas a empresa se refere a eles como Phosphorus. “Acreditamos que sejam originários do Irã e estejam ligados ao governo iraniano”, diz a Microsoft.

O Phosphorus tentou atacar 241 contas e conseguiu acessar quatro delas, mas nenhum dos e-mails comprometidos era ligado à campanha presidencial de 2020, de acordo com a Microsoft. Os alvos principais eram “contas associadas a uma campanha presidencial dos EUA, funcionários e ex-funcionários do governo dos EUA, jornalistas que cobrem política internacional e iranianos proeminentes que vivem fora do Irã”.

Os ataques não eram tão sofisticados: o grupo tentava usar os recursos de recuperação de contas da Microsoft, redefinindo as senhas por meio de endereços de e-mail secundários ou números de celular das vítimas. Ainda assim, para a Microsoft, isso indica que eles estão “altamente motivados e dispostos a investir tempo e recursos significativos envolvidos em pesquisas e outros meios de coleta de informações”.

A Microsoft diz que já tomou medidas legais contra o Phosphorus. Para os usuários comuns, a empresa recomenda ativar a autenticação em duas etapas e usar esta ferramenta para verificar se alguém acessou sua conta indevidamente. Já para pessoas ligadas a campanhas políticas, partidos ou ONGs relacionadas à democracia, há o Microsoft AccountGuard, que monitora de perto e protege 60 mil contas em 26 países.

Receba mais sobre Microsoft na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Paulo Higa

Paulo Higa

Ex-editor executivo

Paulo Higa é jornalista com MBA em Gestão pela FGV e uma década de experiência na cobertura de tecnologia. No Tecnoblog, atuou como editor-executivo e head de operações entre 2012 e 2023. Viajou para mais de 10 países para acompanhar eventos da indústria e já publicou 400 reviews de celulares, TVs e computadores. Foi coapresentador do Tecnocast e usa a desculpa de ser maratonista para testar wearables que ainda nem chegaram ao Brasil.

Canal Exclusivo

Relacionados