PL quer tirar Serpro e Dataprev do plano de privatização do governo

Deputado quer impedir inclusão do Serpro e do Dataprev no Programa Nacional de Desestatização (PND) por tratamento de dados pessoais do contribuinte

Pedro Knoth
Por
Serpro

Um projeto de lei (PL) que circula pela Câmara dos Deputados quer impedir a privatização do Serpro (Serviço Federal de Processamento de Dados) e do Dataprev (Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência Social). O texto alega que, por serem empresas que tratam de dados pessoais dos brasileiros, ambas são de interesse coletivo e da segurança nacional, razão pela qual o Estado deve manter controle exclusivo sobre as estatais.

União manteria controle exclusivo de Serpro e Dataprev

O PL 2270/21 proíbe a inclusão do Serpro e Dataprev no Programa Nacional de Desestatização (PND). De autoria do deputado federal André Figueiredo (PDT-CE), a proposta estabelece que o governo detenha controle exclusivo de 100% das estatais por atuarem no ramo da tecnologia da informação.

O texto já foi aprovado pela Comissão de Ciência, Tecnologia e Informação (CCTI) da Câmara dos Deputados. Agora, ele aguarda a análise da Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços (CDEICS). Em voto pela aprovação do PL na CCTI, o relator e deputado Ted Conti (PSB-ES) pontua que o projeto tem respaldo na Constituição Federal.

Para redigir o PL, Figueiredo se apoia em uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) do começo do ano.

Nela, o tribunal decidiu que deputados e senadores poderiam legislar para vedar o uso privado de serviços de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) contratados pela União e que sejam indispensáveis para a soberania, segurança nacional e privacidade do contribuinte.

Desta forma, o Serpro e o Dataprev ficariam imunes ao PND, porque “a conservação de sua estatalidade é providência de interesse público” segundo a decisão do STF. O deputado do PDT alega que seria estabelecido um monopólio do estado, mas sim um “regime de exclusividade” sobre a propriedade das empresas.

Privatização do Serpro é criticada por pesquisador e MPF

O Serpro está na mira da privatização desde janeiro de 2020, quando o presidente Jair Bolsonaro o incluiu no PND por meio de um decreto.

A pasta que coordena as desestatizações é o Ministério da Economia, do ministro Paulo Guedes, que também planeja privatizar outras empresas, como a Eletrobras e os Correios.

Um estudo divulgado por um pesquisador da USP (Universidade de São Paulo) constatou que a privatização do Serpro poderia levar a um monopólio praticado pela empresa que fisgasse a estatal. Caso ela fosse vendida, seria necessário firmar compromissos legais para impedir a comercialização de uma base de dados com milhões de brasileiros registrados.

O Ministério Público Federal (MPF) chegou a se manifestar contra o decreto de Bolsonaro que incluía o Serpro no PND. O estudo da USP critica a falta de detalhes do projeto do governo para vender a estatal.

Em outubro, a Câmara manteve a permissão para desestatização do Dataprev. Vinculada ao Ministério da Economia, a instituição detém os dados de 35 milhões de brasileiros, e é responsável pelos servidores de nuvem do governo federal.

Com informações: Agência Câmara

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Pedro Knoth

Pedro Knoth

Ex-autor

Pedro Knoth é jornalista e cursa pós-graduação em jornalismo investigativo pelo IDP, de Brasília. Foi autor no Tecnoblog cobrindo assuntos relacionados à legislação, empresas de tecnologia, dados e finanças entre 2021 e 2022. É usuário ávido de iPhone e Mac, e também estuda Python.

Canal Exclusivo

Relacionados