RS: Brasil poderia, mas não usa Cell Broadcast para alertas de emergência

Tecnologia de Cell Broadcast transforma celulares em verdadeiras sirenes durante situações de crise. Projeto foi finalizado pelo setor de telecomunicações, mas está parado no governo.

Thássius Veloso
Por
• Atualizado há 2 semanas
Ilustração retrata uma mensagem de texto que diz "Alerta Emergência - Defesa Civil: Risco de inundação ao longo da Rua Coronel Veiga”, entre outras falas. Abaixo há um botão de "OK".
Alerta de emergência apita mesmo quando celular estão no silencioso (Ilustração: Vitor Pádua/Tecnoblog)
Resumo
  • O Brasil ainda não implementou um moderno sistema de alertas de catástrofes via celular, como o Cell Broadcast, apesar de sua eficácia comprovada em países como Estados Unidos e Japão.
  • Essa tecnologia permite que alertas emergenciais sejam enviados a celulares em uma área específica, funcionando mesmo em modo Não Perturbe.
  • Embora a Anatel tenha desenvolvido o projeto Notificação de Alertas de Desastres, que está pronto desde dezembro de 2023 após 14 meses de testes com operadoras, a utilização efetiva do sistema enfrenta entraves. A falta de treinamento adequado dos agentes públicos para operar a plataforma e a necessidade de ajustes e finalizações no projeto são barreiras significativas.
  • Atualmente, os alertas são transmitidos principalmente via SMS, que requer cadastro prévio e pode não ser recebido se o celular estiver em modo Não Perturbe. O governo também utiliza outros meios, como avisos na TV por assinatura e mensagens em aplicativos de mensagens como WhatsApp e Instagram, que dependem de conexão de dados.

A trágica situação do Rio Grande do Sul nos mostra o quanto a tecnologia pode contribuir para que as pessoas rapidamente sejam informadas sobre momentos de crise. Neste contexto, fica a dúvida: por que o Brasil ainda não possui um moderno sistema de envio de alertas via celular? O chamado Cell Broadcast é utilizado com sucesso em países como Estados Unidos e Japão. Aqui, no entanto, sua implementação está parada.

Os americanos apelidaram a tecnologia de Amber Alert. Autoridades podem emitir comunicados para uma região específica e, com isso, os smartphones dela são transformados em verdadeiras sirenes. Eles apitam, acendem e exibem a mensagem emergencial (mesmo que estejam em modo Não Perturbe).

O Amber Alert foi concebido para avisar os moradores sobre o rapto de crianças numa determinada localidade. A ideia evoluiu a ponto de informar sobre terremotos e tempestades. Já no Japão, o chamado J-Alert também é empregado em outras condições climáticas extremas.

Brasil tem projeto de Amber Alert

Eu me debrucei sobre o tema nos últimos dias, com a pulga atrás da orelha depois de ver a situação de nossos compatriotas do Sul. Atualmente, a Defesa Civil de cada região é capaz de disparar avisos por meio de SMS – basta se cadastrar pelo número 40199. A questão é que, como você bem sabe, normalmente estas mensagens de texto ficam retidas quando o aparelho está em modo Não Perturbe (sem falar que exigem um cadastro prévio).

O passo seguinte foi dado. A Anatel foi pioneira ao iniciar o projeto da Notificação de Alertas de Desastres. O superintendente de Controle de Obrigações da agência, Gustavo Santana, me explicou que o sistema está pronto desde dezembro de 2023, após 14 meses de exaustivos testes junto às operadoras de telefonia.

Porto Alegre sofre com fortes enchentes (Imagem: Agência Brasil/Divulgação))

A partir da plataforma, agentes públicos da área de salvamento (em especial representantes dos órgãos de Defesa Civil) poderiam escolher a severidade do alerta e sua abrangência, entre outros atributos, antes de disparar o comunicado. As operadoras recebem a instrução, determinam quais torres estão dentro daquele raio e disparam a comunicação pelas redes 4G e 5G. O consumidor não paga nada por isso.

A maioria dos celulares fabricados a partir de 2020 conta com o software necessário para receber e exibir os alertas. Não deveria ser tão difícil.

Por que não é usado?

Vale a pena comprar celular intermediário premium? Sim, mas só nestes casos (Imagem: Guilherme Reis / Tecnoblog)
Projeto similar ao Amber Alert dos EUA está pronto desde dezembro de 2023 (Imagem: Guilherme Reis / Tecnoblog)

O passo seguinte seria a utilização desta valiosa ferramenta, o que não vem acontecendo. Os responsáveis pelos alertas, nos vários órgãos de resgate, deveriam ser treinados para operá-la da melhor maneira possível. Isso exigiria um movimento nacional para que tudo estivesse funcionando num – infelizmente provável – próximo desastre.

No entanto, quando consultado, o Ministério da Integração e do Desenvolvimento Regional me informou que o projeto “está em fase de ajustes e finalização”. Está prevista a fase piloto do sistema, mas nenhuma data foi divulgada.

A pasta recomendou que a população fique atenta a outros meios de alerta: além do já citado SMS, também são disparados avisos na TV por assinatura. A Defesa Civil do Rio Grande do Sul também atua em populares apps: WhatsApp e Instagram. No entanto, cabe lembrar que este uso requer internet com franquia de dados, ao contrário do que é previsto no Cell Broadcast.

Enquanto isso, seguimos com os alertas via SMS. Foram disparadas 83 comunicações desde o dia 27 de abril no Rio Grande do Sul. Segundo o ministério, a ação resultou em 9,6 milhões de mensagens SMS.

Receba mais sobre Brasil na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Thássius Veloso

Thássius Veloso

Editor

Thássius Veloso é jornalista especializado em tecnologia e editor do Tecnoblog. Desde 2008, participa das principais feiras de eletrônicos, TI e inovação. Na mídia, também atua como comentarista da GloboNews e da CBN, além de ser palestrante, mediador e apresentador de eventos. Já apareceu no Jornal Nacional, da TV Globo, e publicou artigos na revista Galileu e no jornal O Globo. Ganhou o Prêmio Especialistas em duas ocasiões e foi indicado diversas vezes ao Prêmio Comunique-se.

Canal Exclusivo

Relacionados