Starlink pode finalmente ganhar dinheiro em 2023, diz presidente da SpaceX

Gwynne Shotwell explicou que serviço de internet da SpaceX ainda não dá lucros; executiva afirma que cenário mudará em 2023

Felipe Freitas
Por
Starlink (imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)
Starlink (imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)

Gwynne Shotwell, CEO e diretora de operações da SpaceX, disse em uma entrevista que 2023 será o ano em que a Starlink dará lucros pela primeira vez. A declaração, dada em um conferência sobre transporte espacial, também inclui dados sobre a operação financeira do serviço. A internet da empresa começou a expandir para outros países em outubro de 2021.

No ano passado, a Starlink ampliou a sua atuação para outros países. O Brasil foi um dos países que passou a contar com a internet da SpaceX no seu território. A gigante expansão prevista para 2023 ajudará na receita da empresa.

CEO afirma que SpaceX dará lucro em 2023

Na conferência organizada pela FAA (órgão americano de aviação civil), Gwynne Shotwell, falou que o serviço de internet da SpaceX, teve um fluxo de caixa positivo no quarto trimestre de 2022. “Neste ano, a Starlink fará dinheiro”, disse a executiva, que acumula dois cargos na empresa.

Além do quarto trimestre positivo, outros pontos que explicam o otimismo da CEO é a chegada da internet da empresa para mais países. No momento, a Starlink está presente em 48 países. Na América do Sul, somente Argentina e Venezuela não receberão o serviço em 2023 — no caso da Venezuela, não há previsão de quando ele estará disponível.

Na África, a Starlink será disponibilizada para mais países nos próximos meses. No momento, somente a Nigéria, Mayotte e Reunião (estas duas territórios franceses) contam com a internet da SpaceX. Alguns exemplos de países africanos que terão Starlink ainda em 2023 estão Angola, Moçambique, Quênia, República Democrática do Congo e Tanzânia.

Mapa no site da Starlink mostra países em que o serviço (Imagem: Reprodução/Starlink)
Mapa no site da Starlink mostra países em que o serviço (Imagem: Reprodução/Starlink)

As finanças da Starlink devem melhorar ainda mais quando o serviço for aprovado na Índia. Com 1,4 bilhão de habitantes, o país será o mais populoso atendido pela internet da SpaceX. Todavia, as (“poucas”) 5 mil reservas na Índia foram reembolsadas. O governo indiano impediu a Starlink de fazer a pré-venda enquanto o serviço não estiver autorizado.

Como explicou Shotwell, as partes lucrativas SpaceX são os foguetes Falcon e cápsulas Dragon. A Starlink passa por rodadas de investimentos que, segundo a executiva, pagam o desenvolvimento do projeto. “Quando ficamos sem, nós pegamos investimentos externo”, disse Shotwell, cujo chefe comprou o Twitter por US$ 44 bilhões.

Com informações: CNBC e Starlink

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Felipe Freitas

Felipe Freitas

Repórter

Felipe Freitas é jornalista graduado pela UFSC, interessado em tecnologia e suas aplicações para um mundo melhor. Na cobertura tech desde 2021 e micreiro desde 1998, quando seu pai trouxe um PC para casa pela primeira vez. Passou pelo Adrenaline/Mundo Conectado. Participou da confecção de reviews de smartphones e outros aparelhos.

Canal Exclusivo

Relacionados