Coronavírus já afeta produção de eletroeletrônicos no Brasil

Fábricas chinesas que enviam componentes ao Brasil têm paralisado produção devido ao coronavírus

Emerson Alecrim
Por
• Atualizado há 2 anos e 5 meses
Fábrica da Foxconn em Jundiaí (Créditos: Fabiano Accorsi/VEJA)

O surto de coronavírus que atinge principalmente a China já causa impactos na economia de vários países. Nem o Brasil escapa: muitas empresas de eletroeletrônicos que importam componentes e insumos chineses para fabricar seus produtos aqui não estão recebendo as encomendas no prazo. O problema afeta principalmente a indústria de TI.

De acordo com os números oficiais, o coronavírus já causou mais de 1,1 mil mortes e infectou cerca de 45 mil pessoas na China. Como parte dos esforços para frear o surto, empresas chinesas têm reduzido jornadas de trabalho ou interrompido suas atividades.

É o caso de muitas fábricas. A Foxconn, por exemplo, atrasou o retorno de seus funcionários à sua principal fábrica na China após o feriado de Ano Novo Lunar justamente como medida de prevenção ao coronavírus.

São decisões necessárias, mas que têm lá suas consequências. O não cumprimento de contratos é um deles. No Brasil, um levantamento da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee) feito com mais de 50 indústrias do setor eletroeletrônico indica que 52% delas já enfrentam problemas de desabastecimento causados pela paralisação de fábricas de componentes na China.

Parte das empresas que afirmam não ter problemas temem que entrarão para a lista das que enfrentam desabastecimento se o envio de componentes e insumos chineses não se normalizar até o fim do mês.

Para piorar, 22% das companhias pesquisadas sinalizam que podem ter que paralisar as suas linhas de produção nas próximas semanas se o problema não for resolvido.

Além de componentes para computadores, celulares e afins, o Brasil exporta peças para geladeiras, máquinas de lavar, TVs, equipamentos de som, entre vários outros produtos.

Existe um outro agravante para o Brasil: a China é uma grande compradora de commodities brasileiras, mas teme-se que o surto de coronavírus faça o PIB do país recuar, pelo menos no primeiro trimestre de 2020. Pois bem, um efeito possível desse cenário é a diminuição das exportações brasileiras para a China.

Com informações: BBC.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Emerson Alecrim

Emerson Alecrim

Repórter

Emerson Alecrim cobre tecnologia desde 2001 e entrou para o Tecnoblog em 2013, se especializando na cobertura de temas como hardware, sistemas operacionais e negócios. Formado em ciência da computação, seguiu carreira em comunicação, sempre mantendo a tecnologia como base. Em 2022, foi reconhecido no Prêmio ESET de Segurança em Informação. Em 2023, foi reconhecido no Prêmio Especialistas, em eletroeletrônicos. Participa do Tecnocast, já passou pelo TechTudo e mantém o site Infowester.

Canal Exclusivo

Relacionados