Foto por Fernando Oda/Núcleo Editorial/Flickr

Em breve, o Uber poderá usar inteligência artificial para identificar se um passageiro está bêbado. A empresa registrou um pedido de patente de uma tecnologia capaz de usar seu smartphone para fazer essa identificação.

O sistema analisaria como o aparelho é usado no dia a dia e utilizaria alguns fatores para saber se o comportamento está ou não dentro do seu normal. Entre as informações que seriam analisadas, estão a forma como você interage com a tela, o ângulo do celular e sua forma de andar, além do horário e local em que a corrida é iniciada.

Assim, se você estiver de madrugada em uma região com muitos bares e levar muito tempo para acabar o pedido de uma corrida, o Uber poderá identificar que você não está sóbrio. A empresa afirma que o recurso serviria para oferecer um serviço mais adequado.

Antes de aceitar a corrida, o motorista ficaria sabendo do seu estado e poderia se preparar melhor para a situação. Em casos mais graves, a plataforma poderia direcionar o passageiro para motoristas com experiência ou treinamento. O app também bloquearia o UberPOOL para não incomodar outros passageiros.

Apesar das vantagens, o sistema poderia trazer mudanças negativas. O preço da corrida poderia ficar mais caro para os passageiros que estão bêbados, e os motoristas poderiam se recusar a realizar algumas corridas.

Há questões ainda mais sérias: apenas nos últimos quatro anos, 103 motoristas do Uber nos Estados Unidos foram acusados de abusar sexualmente de passageiros. O levantamento é da CNN e aponta muitas vítimas estavam embriagadas antes de entrarem nos carros.

Apesar das preocupações, ainda não é certo que a novidade será liberada de fato. É sempre bom lembrar que muitas empresas registram patentes, mas nunca chegam a usá-las.

Com informações: CNN, The Verge, Endadget.

Receba mais sobre Uber na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Victor Hugo Silva

Victor Hugo Silva

Ex-autor

Victor Hugo Silva é formado em jornalismo, mas começou sua carreira em tecnologia como desenvolvedor front-end, fazendo programação de sites institucionais. Neste escopo, adquiriu conhecimento em HTML, CSS, PHP e MySQL. Como repórter, tem passagem pelo iG e pelo G1, o portal de notícias da Globo. No Tecnoblog, foi autor, escrevendo sobre eletrônicos, redes sociais e negócios, entre 2018 e 2021.

Canal Exclusivo

Relacionados