O governo parece mesmo determinado a testar acesso à internet via balões no Brasil, tanto é representantes do Ministério das Comunicações se reuniram com membros do Google X na semana passada para conhecer o Project Loon, iniciativa que trata justamente desta modalidade. A surpresa é que a tecnologia do Google não será a única avaliada.

Segundo o Estadão, o governo vem tratando do assunto desde maio, quando deu sinal verde para um projeto de internet via balões apresentado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) em parceria com a Telebras.

A ideia é semelhante à empregada no Project Loon: levar acesso à internet a localidades remotas ou que estão com a sua infraestrutura de telecomunicações temporariamente comprometida a partir de sinais emitidos via balões. A diferença é que, no projeto do Google, o balão pode chegar a 20 quilômetros de altura; na proposta do INPE, a altura é de até 300 metros.

Esta diferença existe porque o Project Loon se baseia em balões de grande altitude, que chegam à estratosfera. Uma das razões para esta escolha é que, nesta altura, os balões ficam muito menos suscetíveis a deslocamentos causados por ventos fortes.

Já no caso do INPE, a ideia é utilizar um balão que está sendo desenvolvido pela Altave, uma empresa de São José dos Campos (SP) criada há cerca de dois anos por dois engenheiros do Instituto Tecnológico de Aeronáutica, um deles com mestrado na NASA.

Um balão como este é que será testado

Um balão como este é que será testado (Créditos: Marlos Cunha/Altave – Divulgação)

O balão da Altave pode ter de dois a cinco metros de diâmetro, ser inflado com gás hélio ou hidrogênio e suportar equipamentos com até 30 quilos. A alimentação elétrica destes é feita por um cabo que o mantém preso a uma base no solo. É por esta razão que o balão pode chegar à altura de 300 metros e, mesmo assim, se manter nos limites de uma determinada área, mesmo com ventos.

Este balão foi projetado justamente para fins de comunicação, podendo carregar antenas, instrumentos para orientação de voos e sistemas de monitoramento. É possível até mesmo passar pelo cabo uma via de fibra óptica para acesso à internet com velocidades razoáveis. Calcula-se que cada balão possa cobrir uma área com raio de até 70 quilômetros.

Os primeiros testes deverão ser feitos nos dias 12 e 13 de novembro, na cidade de Cachoeira Paulista (SP), onde há um centro de estudos do INPE. A ideia é fazer com que um balão seja usado para transmitir internet sem fio para a prefeitura e uma escola da região.

O Project Loon também deverá ser testado no país – o governo não se reuniu com o pessoal do Google X à toa -, mas isso deverá acontecer somente em 2014, “de preferência no primeiro semestre”, ressaltou o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo.

É claro que os resultados dos testes é que pesarão na escolha da iniciativa a ser acolhida (se é que alguma assim será), mas o governo já deixou claro: projetos brasileiros têm prioridade.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Éder

Acho espetacular a idéia, hoje gerealmente os sinais de celulares chegam a no máximo 5 a 10 km em locais pouco acidentados, em locais montanhosos não vão a canto nenhum. Um balão desses a 300m do solo transmitindo sinal seja wifi, seja de operadoras de celular, poderia jogar o sinal em um raio de 50 a 70 km, acho formidável para a grande maioria das zonas rurais do pais.

Eder Angelo Soares
Acho espetacular a idéia, hoje gerealmente os sinais de celulares chegam a no máximo 5 a 10 km em locais pouco acidentados, em locais montanhosos não vão a canto nenhum. Um balão desses a 300m do solo transmitindo sinal seja wifi, seja de operadoras de celular, poderia jogar o sinal em um raio de 50 a 70 km, acho formidável para a grande maioria das zonas rurais do pais.
Jorge Luiz Costa
Que lixo de tecnologia. Ao invés desta porcaria, deveriam se concentrar na Anatel, que é a mãe das empresas de telecomunicações.
Valber Mendes
Senhores o projeto original criado por mim a alguns anos e que foi roubado....erá para uma altitude de até 70mts, onde foi criado inicialmente para uma aplicação de acesso a internet e voz em lugares remotos e passagens de gasodutos na Petrobras, infelizmente temos muito disso em nosso pais, se alguém quiser mais informações fica meu e-mail.: [email protected]
sinesio.chamma
O projeto LOON (Mergulhador) ficará a mais de 20 Km do solo, livres, rodando pelo planeta como fossem satélites não estacionários, os voos comerciais e militares no mundo atingem até 15 Km se não me engano, então será obrigatório o uso de uma antena de recepção feita pela própria google, já neste sistema brasileiro acho que vai ter gente ganhando dinheiro a rodo, pois se baseia em rede WI-FI de antenas comuns ou radio, ou seja´para que subir um balão se podemos distribuir antenas com média de 50 Km de distancia uma das outras e termos sinais de boa qualidade??
Romeu Marcilio da Silveira
Puro balonismo
Wellington Gabriel de Borba
Por só 70 km de raio? O LTE em 450 Mhz que será empregado pelas empresas de telecomunicações tem um alcance semelhante de até 60 Km. Com a vantagem de serem antenas de no máximo 70 metros de altura e gerando pouca poluição visual/ambiental. Acho o projeto do Google mais sustentável, apesar da discussão de como os balões seriam alimentados, recarregados e para onde o tráfego dos usuários seria dimensionado. Porém o projeto brasileiro se mostra mais viável do ponto de vista tecnológico, devido a alimentação elétrica continua e a possibilidade de utilizar fibra ótica para sustentar os clientes.
Emerson Alecrim
Pelo o que eu verifiquei, o balão consegue ficar cerca de uma semana no alto, mas não ficou claro com qual tipo de gás.
Luca Bezerra
Aí um pássaro pousa lá e fura o negócio. Um cara atira pra cima e derruba o balão. Uma tempestade chega, como disseram, e detona tudo. Sério que a galera tá considerando 300m de altitude?!
Gabriel Gonçalves
Não gosto de ser muito pessimista, mas é impressão minha ou o governo vai escolher o modelo brasileiro para tentar dar uma "burlada" na grana que vai ser investido nisso?
Dinart Filho
que diferença faz? qualquer chuvinha a galera aqui já fica offline mesmo.
Lenilson Silva
É viável, mas vamos ver se isso vai para frente...
Mpc Marcelo
Primeira tempestade de raios galerinha fica OFF LINE!
André Feltrin Baldessar
quanto tempo o balao fica no ar sem ser carregado de hélio?
Tales Cembraneli Dantas
Poxa que legal, Cachoeira Paulista não fica tão longe da minha cidade (acho que estou dentro deste raio de 70Km, vou ficar de olho no meu wifi nestes dias.. kkkkkkkk
Exibir mais comentários