Início » Celular » Pop C5, o smartphone barato com tela de 4,5 polegadas da Alcatel

Pop C5, o smartphone barato com tela de 4,5 polegadas da Alcatel

Modelo tem boa aparência e custa menos de R$ 450, mas tropeça no desempenho e na qualidade da tela.

Por
5 anos atrás
Nota Final 5.1

Você está acostumado a encontrar aqui no Tecnoblog reviews de smartphones intermediários e top de linha. Mas também nos esforçamos para dar espaço a aparelhos de baixo custo. É por isso que eu topei a missão de analisar o Alcatel Onetouch Pop C5.

O modelo foi anunciado no segundo semestre de 2013, mas no Brasil, começou a ser comercializado oficialmente em julho deste ano. Trata-se de um smartphone dual-SIM com tela de 4,5 polegadas que tem justamente o preço como principal atrativo: é fácil encontrá-lo por menos de R$ 450.

Já adianto que não há milagres aqui. O desempenho do Pop C5 faz jus à sua faixa de preço. O importante é saber se há equilíbrio na relação custo-benefício ou se o aparelho entra para a categoria “barato que sai caro”. Confira as próximas linhas para descobrir.

No final do review, também há uma rápida avaliação do Alcatel Onetouch Pop C3.

Design e pegada

Se você já usou um Galaxy S3 branco, talvez terá sensação de “déjà vu” ao pegar o Pop C5 pela primeira vez: o modelo lembra bastante o smartphone da Samsung com seus cantos arredondados e a borda plástica que imita metal.

Alcatel Pop C5

Feio, portanto, o aparelho da Alcatel não é. Mas no fator praticidade, há algumas ressalvas. Para começar, o Pop C5 é pesadinho: com bateria, possui 157 gramas. Além disso, o dispositivo é mais volumoso que a média, apresentando 11,5 mm de espessura.

Como consequência, transportá-lo no bolso da calça acaba sendo uma tarefa um pouco incômoda. Já para manuseá-lo, felizmente, não há dificuldades: a traseira do Pop C5 é bastante curvada nas laterais, característica que facilita o seu encaixe nas mãos e faz o aparelho parecer mais fino.

Alcatel Pop C5

A traseira é removível, mas desencaixá-la requer esforço. Há uma ranhura no canto direito inferior que ajuda neste trabalho, mas as travas da tampa atrapalham a sua remoção por serem muito rígidas.

Quando você finalmente conseguir tirá-la, encontrará ali as ranhuras para os chips SIM e o slot para cartão microSD. Também não é muito fácil encaixar estes itens.

Alcatel Pop C5

Tela

Uma das características que a Alcatel destaca no Onetouch Pop C5 é a sua tela. De fato, 4,5 polegadas é um tamanho generoso para um modelo acessível. A resolução também é razoável para a categoria: 854×480 pixels com densidade de 218 ppi.

O problema é que a tela do Pop C5 é baseada em um painel TFT muito simples, que te obriga a olhar o aparelho bem de frente. A mínima variação de ângulo é suficiente para fazer a tela exibir imagens com perda de cores e nitidez. Visualizá-la em ambientes bem iluminados é quase impossível: a suscetibilidade a reflexos é muito grande.

Alcatel Pop 5

Olhando da posição correta, a fidelidade de cores da tela do Pop C5 é boa – o componente exibe 16 milhões de tons -, mas o nível de contraste é ruim. Este aspecto faz com que visualizar fotos e vídeos no dispositivo não seja das experiências mais agradáveis.

O smartphone conta com sensor de luminosidade que ajusta automaticamente o brilho da tela. Pelo menos este recurso funciona bem.

Câmera

A câmera traseira é outra característica que a Alcatel ressalta no Pop C5. O componente tem sensor de 5 megapixels e, ao contrário do que é comum em smartphones de baixo custo, vem com flash LED.

Alcatel Pop C5 - Câmera

Mas não espere por ótimos registros. Quando muito, a qualidade das fotos do Pop C5 é razoável. É comum que as fotos saiam um tanto quanto escuras mesmo em ambientes bem iluminados.

Foto tirada com o Pop C5

Foto tirada com o Pop C5

Nestas circunstâncias, o flash ajuda. Mas o LED não consegue resolver outro problema facilmente perceptível: a perda de cores. Pode não haver muita diferença em tons mais claros, por outro lado, as cores mais fortes saem desbotadas.

Foto tirada com o Pop C5

O flash ajuda, mas não impede a perda de tonalidades

Nas fotos noturnas, o nível de ruído está dentro do aceitável. A dificuldade está em acertar o foco. Nem o flash facilita esta tarefa.

Software e desempenho

O software destoa como a pior parte do Onetouch Pop C5. É comum o sistema apresentar travadinhas na transição entre telas ou o usuário ter que dar dois ou três toques na barra superior para fazer a área de notificações aparecer.

A Alcatel parece ter tentado amenizar estes problemas aplicando uma interface customizada simples. Até os efeitos são escassos. Mas não adiantou: a impressão de que o Pop C5 sofre para fazer o sistema operacional rodar é eminente.

Neste ponto, causa estranheza a versão da plataforma: o dispositivo sai de fábrica com o Android 4.2.2 (Jelly Bean). O Android 4.4 (KitKat) tem melhor gerenciamento de memória e, provavelmente, teria se dado melhor com os 512 MB de RAM do Pop C5.

Um chip dual-core MediaTek MT6572 de 1,3 GHz complementa as especificações do modelo. Junto com a GPU Mali-400, o processador consegue dar conta da maioria dos aplicativos. Apps de redes sociais, o player de áudio e o Chrome, por exemplo, rodaram sem engasgos.

No AnTuTu Benckmark 5, o Pop C5 obteve 11.973 pontos:

Pop C5 - AnTuTu

“Não tão ruim”

Outros aplicativos, como Google Maps, Netflix e Flipboard demoraram mais que o habitual para abrir, mas uma vez carregados, rodaram de maneira aceitável. De qualquer forma, mais 512 MB de RAM faria enorme diferença aqui.

Ainda falando em apps, o Pop C5 vem com uma quantidade razoável deles: Adobe Reader, conversor de moedas, Barcode Scanner, lanterna, pacote de escritório (Kingsoft Office), ferramenta de backup, marcador de notas e a maior parte dos aplicativos do Google estão presentes. Há também alguns jogos, mas a maioria é freemium ou requer pagamento para rodar.

Captura de tela - Pop C5

Smartphones de entrada costumam oferecer TV. Com o Pop C5 não é diferente. Estranho foi o dispositivo testado só ter capturado sinal analógico. Descobri mais tarde que há versões do C5 com TV digital ou somente com analógica. Na hora da compra, é importante ficar atento a este detalhe, portanto.

Pop C5 - TV

Sinal analógico

Não espere poder instalar muita coisa no Pop C5. O aparelho conta com apenas 4 GB para armazenamento interno de dados, com cerca de 2,3 GB já ocupados. Cartão microSD é praticamente obrigatório aqui para armazenar músicas e fotos.

Convém mencionar que o Pop C5 vendido no Brasil é dual-SIM, como você já sabe, mas quando dois cartões estiverem em uso, somente o primeiro conseguirá acessar redes 3G.

Bateria

O Alcatel Onetouch Pop C5 tem bateria de 1.800 mAh. E até que se dá bem com ela. Os testes sugeriram que a carga é suficiente para um dia inteiro longe da tomada, desde que o usuário não abuse de aplicativos exigentes.

No primeiro teste, o filme Os Outros (1h44min) foi executado a partir da Netflix com o brilho da tela no máximo. Ao final de quatro reproduções seguidas, a carga da bateria, que havia começado em 100%, estava em 44%.

O segundo teste envolveu reprodução de um vídeo em AVI de 1h42min, 1 hora de TV, 2 horas de rádio FM, 30 minutos de navegação web e chamada de 10 minutos. Estas tarefas fizeram a bateria passar de 100% para 64% de carga.

O tempo de recarga de 20% para 100% foi de 2h04min.

Conclusão

O Pop C5 causa a sensação de tentar ser o que não é: por fora, parece haver potencial ali, mas logo o usuário percebe que o modelo não é capaz de ir muito além do básico.

Alcatel Pop C5

Não é que o aparelho da Alcatel seja ruim. Para a sua faixa de preço, o Pop C5 até que se sai bem. O problema é que há opções melhores. Sim, eu estou falando principalmente do Moto E.

É verdade que o Pop C5 vem com câmera frontal e LED na câmera traseira, itens que o modelo da Motorola não possui. Por outro lado, a tela do Moto E tem qualidade muito superior.

O Moto E também leva vantagem no desempenho. Com 1 GB de RAM e Android 4.4 KitKat, o modelo está longe de engasgar tanto quanto o smartphone da Alcatel.

No final das contas, a aquisição do Pop C5 se justifica nas seguintes situações: orçamento apertado, smartphone para ser usado como reserva ou secundário, necessidade de um aparelho barato com flash LED e câmera frontal. Para os demais casos, vá de Moto E, se puder gastar um pouquinho mais.

PRÓS

  • Câmera frontal e flash LED, características pouco comuns em modelos acessíveis
  • Bateria com boa autonomia

CONTRAS

  • Sistema operacional antigo e pouco otimizado
  • Tela de baixa qualidade
  • Apenas 512 MB de RAM
Nota Final 5.1
Design
5
Tela
4
Câmera(s)
4
Desempenho
4
Sistema Operacional
4
Bateria
7
Qualidade da Chamada
8

Especificações técnicas

  • Bateria: 1.800 mAh;
  • Câmeras: traseira de 5 megapixels, frontal de 0,3 megapixel;
  • Conectividade: 3G, Wi-Fi 802.11n, GPS, Bluetooth 4.0 e micro-USB 2.0;
  • Dimensões: 131,4 x 67,9 x 11,5 mm;
  • GPU: Mali-400;
  • Memória externa: entrada para cartão microSD de até 32 GB;
  • Memória interna: 4 GB (2,3 GB disponíveis para o usuário);
  • Memória RAM: 512 MB;
  • Peso: 157 gramas;
  • Plataforma: Android 4.2.2 Jelly Bean;
  • Processador: MediaTek MT6572 dual-core de 1,3 GHz;
  • Sensores: acelerômetro, proximidade e iluminação;
  • Tela: TFT de 4,3 polegadas com resolução de 854×480 pixels (217 ppi).

Bônus: Alcatel Onetouch Pop C3

A Alcatel também nos enviou para testes o Onetouch Pop C3. O modelo repete quase todos os itens de hardware de seu “irmão maior”. As principais diferenças estão em suas dimensões – 122 x 64,4 x 11,95 mm – e no display.

O Pop C3 tem tela TFT de 4 polegadas com resolução de 800×480 pixels, mas escorrega na quantidade de cores suportada: 256 mil. Relembrando, o Pop C5 é capaz de exibir 16 milhões de cores. Assim como neste último, seu nível de contraste não é dos melhores.

A tela do Pop C3 também parece ter pior construção: ao tocá-la, o usuário chega a sentir a superfície afundar, ainda que levemente.

Pop C3

No desempenho, o Pop C3 se saiu melhor. Notei poucas engasgadas, menos que no Pop C5. Mas aqui vale uma observação: o Android instalado (também 4.2.2.) no aparelho testado é uma adaptação feita para a TIM (o que não impede o uso do aparelho com chips de outras operadoras, é claro). O ideal seria testá-lo com a versão padrão do dispositivo.

O modelo também conta com câmera traseira de 5 megapixels, só que sem LED. A qualidade do sensor se mostrou pior em comparação com a câmera do C5. As imagens apresentam um incômodo efeito de “fumaça” em ambientes bem iluminados; com pouca luz, os níveis de ruídos são gritantes.

A câmera frontal também está lá. Curiosamente, a Alcatel a chama de “selfie cam”, mas o componente não tem nada de especial, sendo capaz de gerar apenas imagens com resolução VGA.

Como consequência, o Pop C3 consegue ser ainda mais barato. Seu preço sugerido é de R$ 350. Só não é tão fácil encontrá-lo à venda por aí: pelo o que eu pude constatar, o modelo está disponível apenas em lojas da TIM.