Cansadas da guerra com serviços de streaming, as redes de televisão SBT, Record e RedeTV montaram uma empresa e querem oferecer conteúdo na Netflix. Chamada de Simba (sim, de O Rei Leão), o objetivo da companhia é negociar a exibição de conteúdos com o serviço de streaming para fugir um pouco do mercado de TV paga.

Segundo Ricardo Feltrin, na coluna do UOL, essas redes de televisão poderiam oferecer na Netflix novelas, materiais jornalísticos e linha de shows próprios, já que reality shows com formatos comprados, como MasterChef, não poderiam fazer parte do catálogo. Já é uma ótima iniciativa, porém.

Além da Netflix, a Simba busca parceria com o serviço de streaming da Amazon. A investida também vem como forma de contrapor as operadoras de TV paga: Feltrin conta que essas empresas se recusam a remunerar os três canais por seu sinal em HD incluídos no pacote de assinatura.

Criada no ano passado, a Simba inicialmente era uma empresa para mediar a venda dos sinais das redes de TV às operadoras, mas outras parcerias podem dar novos ares à companhia. Ainda segundo Feltrin, as operadoras também tentaram de “todas as formas possíveis e legais” impedir a criação da Simba, mas não tiveram sucesso.

Em vez de entrar na onda das operadoras de TV para combater a Netflix, a Simba busca entrar no sucesso do serviço para ter mais uma boa fonte de receita. O fato de essas redes de televisão procurarem os serviços de streaming já é um sinal de que pode ser mais vantajoso abraçar novas tecnologias do que combatê-las. Ainda mais com o número de assinaturas da TV paga caindo.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

bueno99
As novelas do SBT e Record já estão na Netflix, não?
Felipe Rodrigues

Gostaria muito de ver alguns "episódios" do nosso querido "Topa tudo por dinheiro" hahaha

Felipe Rodrigues
Gostaria muito de ver alguns "episódios" do nosso querido "Topa tudo por dinheiro" hahaha
🧙‍♂️ Mago Erudito® ᴾᴿᴱᴹᴵᵁᴹ

Para o meu nível do consumo está bom pq não tenho muito tempo, mas acredito que o melhor seja ter poucas e boas séries/filmes próprios do que dezenas de horas de conteúdo que ninguém vê.

Mago Erudito®
Para o meu nível do consumo está bom pq não tenho muito tempo, mas acredito que o melhor seja ter poucas e boas séries/filmes próprios do que dezenas de horas de conteúdo que ninguém vê.
robsonc

Haha porque a qualidade do contepudo da Netflix anda ótima né? Sai uma porcaria por semana. Eles deixam qualquer comediante lançar sua série lá. Claro que tem coisas boas, mas ta cada vez menor.

robsonc
Haha porque a qualidade do contepudo da Netflix anda ótima né? Sai uma porcaria por semana. Eles deixam qualquer comediante lançar sua série lá. Claro que tem coisas boas, mas ta cada vez menor.
Jefferson Rodrigues

Sim, a lei determina uma certa % de propaganda e de conteúdo educativo, mas isso é descumprir descaradamente.

Jefferson Rodrigues
Sim, a lei determina uma certa % de propaganda e de conteúdo educativo, mas isso é descumprir descaradamente.
Caleb Enyawbruce

Exatamente! Pra piorar a Sato Company, detentora dos principais tokusatsu/super sentai que passaram no Brasil, tem seu proprio serviço de streaming, o Wow!Play, e dificilmente vai negociá-los com a Netflix.

Ramon Gonzalez
Exatamente! Pra piorar a Sato Company, detentora dos principais tokusatsu/super sentai que passaram no Brasil, tem seu proprio serviço de streaming, o Wow!Play, e dificilmente vai negociá-los com a Netflix.
BrunoMontanha

Já consigo visualizar Jaspion derrotando o terrível satan goss!

Bruno Ribeiro da Silva
Já consigo visualizar Jaspion derrotando o terrível satan goss!
Wellington Gabriel de Borba

Ao que me consta os programas infanto-juvenis da Manchete eram todos estrangeiros, ou seja, a Netflix precisa negociar com a distribuidoras delas aqui no Brasil ou com a produtora lá fora (Japão).

Wellington Gabriel de Borba
Ao que me consta os programas infanto-juvenis da Manchete eram todos estrangeiros, ou seja, a Netflix precisa negociar com a distribuidoras delas aqui no Brasil ou com a produtora lá fora (Japão).
Exibir mais comentários