Os vídeos exibidos na timeline não são suficientes. O Facebook também planeja se tornar uma grande plataforma de produções originais. Para tanto, o serviço terá uma área chamada Watch que mostrará de séries a jogos esportivos. O anúncio foi feito pelo próprio Mark Zuckerberg.

Isso significa que, além do YouTube, o Facebook está querendo fazer frente a serviços como Netflix e Amazon Prime Video? Mais ou menos. Pelo menos inicialmente, os vídeos originais disponibilizados no Watch serão gratuitos para os usuários. A semelhança como os mencionados serviços está na aposta em conteúdo exclusivo.

Facebook Watch

A ideia vem sendo tratada há algum tempo pelo Facebook. Para a companhia, quanto mais tempo os usuários gastam na rede social, melhor. Hoje, sabe-se bem que vídeos são uma importante forma de retenção de atenção. Por conta disso, não é de se estranhar que o Facebook esteja seguindo por esse caminho.

Todas as produções estão sendo criadas por parceiros (embora algumas estejam sendo financiadas pelo Facebook). A princípio, a remuneração será feita com publicidade: os produtores ficarão com 55% da receita com anúncios exibidos durante os vídeos; o Facebook ficará com os 45% restantes.

Ao acessar a aba Watch — tanto nos aplicativos móveis quanto na versão web do Facebook —, o usuário encontrará recomendações personalizadas sobre o que assistir. Haverá inclusive categorias como “o que os seus amigos estão assistindo” e “o que está fazendo as pessoas rirem”. Será possível também se inscrever para ser notificado sobre novos episódios de determinados programas.

Facebook Watch

É claro que o Facebook também explorará as suas características de rede social para promover os vídeos: os usuários poderão indicar episódios a amigos, participar de discussões sobre os programas, dar feedback aos produtores e por aí vai.

Para fazer o Watch convencer desde o início, o Facebook fechou parcerias com vários produtores e canais de conteúdo. Entre os primeiros programas confirmados estão Kitchen Little (da rede Tastemade), Gabby Bernstein (vídeos motivacionais) e Major League Baseball (transmissões ao vivo de jogos da liga).

Chama atenção o fato de que haverá muito conteúdo de curta duração. Isso permitirá, por exemplo, que o usuário veja algum vídeo enquanto estiver no metrô ou na sala de espera do dentista.

As condições ainda não estão claras, mas, além dos anúncios do Facebook, os próprios criadores poderão fazer inserções com fins publicitários em seus vídeos. O plano é atrair um grande número de produtores de conteúdo. Isso pode até fazer canais bastante visitados saírem do YouTube e irem para o Facebook. Sinal de alerta para o Google? Eu diria que sim.

Mas não vai ser nada tão imediato. O Facebook Watch será disponibilizado nos próximos dias para um número pequeno de usuários nos Estados Unidos. Somente depois de testes e aperfeiçoamentos é que o Facebook liberará a plataforma de modo amplo.

Até o momento, não há informações sobre disponibilidade no Brasil.

Com informações: TechCrunch, Business Insider

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Deilan Nunes
E o app que ja era ruim fica ainda mais pesado... precisando separar isso ai em um outro app
Carlin
Rapaz, a tempo não sinto algo "incrível" surgindo do Facebook, e dessa vez acho que teremos mais uma etapa no que diz respeito ao histórico de "inovações" no Facebook, sós de imaginar o quanto vai ser simples a integração e interação entre pessoas, creio que vai ser proveitoso para o Facebook!
Cover Addict
Facebookers
Bruno Amorim
Gratuito é sempre valido
Baidu feat MC Brinquedo
Baituber™
Perata

As empresas de TV a cabo adoram.

Amoeba
As empresas de TV a cabo adoram.
Perata

Baidu paradoxer?
uauhaauhauhauhuha

Amoeba
Baidu paradoxer? uauhaauhauhauhuha
Baidu feat MC Brinquedo
Deixa eu correr pra patentear um nome ali e já volto...
Léo Oliveira
Um paradoxo
Baidu feat MC Brinquedo
Se no YouTube temos os YouTubers, no Facebook (watch) teremos o quê?
𝕵𝖆𝖈𝕶 ⚡𝖎𝖑𝖘𝖆𝖓

Está aberta a temporada de aquisições, fusões e falências no setor de streaming.

Jack Silsan
Está aberta a temporada de aquisições, fusões e falências no setor de streaming.