Início » Celular » BlackBerry resolve disputa de patentes após intervenção do Google

BlackBerry resolve disputa de patentes após intervenção do Google

Felipe Ventura Por

A BlackBerry ainda investe em smartphones, mas após atingir 0% de participação de mercado, ela resolveu mudar de foco. Ela vem se envolvendo em disputas agressivas sobre patentes — tão agressivas, na verdade, que o Google precisou intervir.

No ano passado, a BlackBerry processou a Blu — fabricante de dispositivos baratos com Android — por supostamente usar 15 patentes em seus smartphones sem pagar royalties. Isso inclui transmissão de sinais, mensagens com horário, um sistema de desconexão de bateria, entre outros.

BlackBerry com tela curvada

A ideia da BlackBerry é gerar receita com sua divisão de propriedade intelectual; ela tem cerca de 40 mil patentes. No ano passado, o CEO John Chen disse a investidores que estava em "modo de licenciamento".

Mas essa estratégia, muito semelhante a trolls de patentes, acabou chamando a atenção do Google. A empresa questionou seis patentes da BlackBerry no USPTO, que cuida de propriedade intelectual nos EUA. O órgão disse que o Google tinha uma "probabilidade razoável" de ganhar a invalidação de quatro delas.

Então, a BlackBerry anunciou um acordo extrajudicial em troca de "pagamentos contínuos", sem revelar valores nem mais detalhes. Segundo a IDC, a Blu — com sede em Miami — representa menos de 1% do mercado global de smartphones.

Mas a BlackBerry está de olho em outras empresas: ela acusou a Nokia de violar patentes envolvendo 3G e 4G em seus equipamentos de rede; e processou a empresa de telecomunicações Avaya, que entrou em recuperação judicial. Este ano, ela ganhou US$ 815 milhões da Qualcomm em uma decisão envolvendo royalties.

Com informações: VentureBeat, Reuters.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Vandir Sousa Ribeiro
Sempre foi assim, mas não só no Mobile, maioria dos BUG's dos softwares são corrigidos por pseudos analistas no mundo todo, eu uso a porcaria do Visual Studio, cheio de bug's e um monte de pseudo analistas no mundo todo tentando gambiarras para consertar os bug's, eu já desenvolvo tudo em C++, só uso para compilar e algumas coisinhas, MS é igual à todas as outras.
Vandir Sousa Ribeiro
A empresa para brigar por patente com a Google tem que ser muito incompetente, estes lixos de software criados pela empresa principalmente o Android que os processos ficam rodando em segundo plano usando recursos do dispositivo é sem fundamento, tudo amador, coitados!
Lucas Carvalho
Que bom já existe essa diferenciação então.
Henrique Seraph
A Blu é tão básica, muito desespero querer abusar disso
Gnull
É que isso depende da legislação do país. Aqui esse tipo de coisa não é possível. Nos EUA, por outro lado, é comum a criação de empresa que cria patentes e vive da exploração de outras que acabam utilizando essas patentes.
Felipe Ventura
A ideia de "remunerar o dono da patente de acordo com o quão genérico é a patente" já existe: é licenciar em termos FRAND, sigla em inglês para justo, razoável e não-discriminatório. Quando a patente é muito genérica, é prática das empresas licenciar a um valor baixo para não barrar o desenvolvimento de um mercado. Claro, nem sempre as empresas concordam com esses termos: https://tecnoblog.net/213766/apple-interrompe-royalties-qualcomm/
Lucas Carvalho
Eu acredito que uma das formas de resolver essa questão das patentes de forma justa (tanto pra quem pesquisou as patentes quanto pra quem quer inovar sem empecilhos) seria remunerar o dono da patente de acordo com o quão genérico é a patente, principalmente em relação ao produto real sendo discutido. E dar tempos de validade diferentes para as patentes de acordo com o tempo de pesquisa necessário para desenvolvê-la. Claro que isso é discutível e, além do mais, exigiria alguma (ou muita) análise, mas deve ser pensado.
Anayran Pinheiro
Quem diria que a Blackberry iria virar uma das grandes patent trolls da vida! O que o desespero por grana não faz, hahahah!
André G
Esse esquema de patentes já deveria ter sido revisto há muitos anos, existem empresas que claramente abusam disso. Criam patentes genéricas de coisas que na maioria das vezes nunca saem do papel, mas caso alguém queira criar algo em cima acaba tendo que pagar. Isso muitas vezes acaba freando a inovação e pesquisas, em vez do contrário. Talvez se os ganhos fossem menores e as patentes durassem menos tempo, o mercado todo sairia ganhando.
evefavretto
Desespero. E olha que a Blu não "fabrica" nada, só compra designs chineses(talvez peça pra customizar um pouco), iguar C E R T A S empresas daqui. De fato, até compartilha fornecedores.