Início » Web » Twitter suspende verificações de conta após “confusão”

Twitter suspende verificações de conta após “confusão”

Rede social verificou conta de organizador de evento supremacista branco em Charlotesville

Por
1 ano atrás

O processo de verificação de contas do Twitter, que adiciona um selo azul ao lado de nomes de figuras públicas, foi suspenso nesta quinta-feira (9) depois de uma “confusão” de interpretação. A rede social foi criticada por verificar a conta de Jason Kessler, o organizador do evento neonazista de Charlotesville, em agosto, que resultou em atropelamentos em série e uma morte.

Na própria rede social, o Twitter informou que “a verificação era para significar identidade e voz, mas é interpretada como um endosso ou indicador de importância”. A empresa reconhece que “criou essa confusão e precisa resolvê-la”. Um executivo do Twitter comentou ainda que as pessoas “confundem verificação de identidade com endosso”.

Como nota o The Next Web, o Twitter informava em um artigo de suporte que a verificação “ajudava os usuários a descobrirem fontes de informação de alta qualidade”. A versão atual do texto não inclui mais essa frase: diz apenas que “uma conta pode ser verificada se for determinado que é uma conta de interesse público”, ressaltando que o selo “não implica em aprovação pelo Twitter”.

O que fazer, então? Um usuário sugere tornar o processo transparente: “enquanto [a verificação] for uma caixa preta e arbitrária, parece um selo de aprovação”. Outro recomenda “permitir que qualquer um opcionalmente verifique sua identidade”. De fato, o Twitter nem tinha um sistema para solicitar verificações; a rede social informava que “verifica contas proativamente e não aceita solicitações do grande público”.

Enquanto o Twitter estuda a questão, nenhuma conta nova receberá o selo azul. Quando um usuário é verificado, ele é seguido automaticamente por uma conta oficial do Twitter; atualmente existem 287 mil contas verificadas seguidas entre os 330 milhões de usuários ativos mensais da rede social.

Mais sobre: