O banco Santander lançou nesta sexta-feira (13) um sistema de pagamentos entre países baseado em blockchain. O serviço “One Pay FX” permitirá enviar libras do Brasil para o Reino Unido.

O que é blockchain: indo além do bitcoin

O usuário — cliente pessoa física — pode ver a quantia exata de dinheiro que chegará ao destino antes de fazer uma transferência. Ela será efetuada no máximo até o dia seguinte; em sistemas tradicionais, isso pode levar vários dias.

Divulgação/Santander

Ana Botín, presidente-executiva do Santander

Isso é possível graças ao blockchain. Ele usa como base um ledger distribuído, ou seja, um sistema que registra as transações e que é compartilhado por toda a rede — no caso, os escritórios do Santander no Brasil e no Reino Unido. Essas transações precisam ser verificadas por todos os participantes, evitando fraudes.

O Santander está usando aqui a tecnologia de blockchain criada pela Ripple. No entanto, o banco não usa o token XRP para transferir fundos entre países.

O app One Pay FX está disponível inicialmente no Reino Unido, apenas para iOS. É possível transferir até £10.000 por dia, e não há taxas de transação para o envio. A autorização é feita via Touch ID ou, no caso do iPhone X, via Face ID. É preciso ter um cartão de débito do Santander registrado no Apple Pay.

Clientes no Reino Unido podem transferir euros para 21 países da Europa, e dólares para os EUA. Na Espanha, será possível enviar fundos para Reino Unido (apenas libras) e EUA (apenas dólares). Enquanto isso, Brasil e Polônia ficam restritos a transferências de libras para o Reino Unido.

O Santander diz que planeja expandir o serviço para mais países e mais moedas nos próximos meses. Além disso, o tempo para as transferências vai diminuir — elas vão acontecer de forma quase instantânea.

Ana Botín, presidente-executiva do Santander, diz ao Financial Times que o projeto levou dois anos para ser desenvolvido. Ela ficou mais interessada depois de ver o filho usando um serviço rival para transferir dinheiro mais rapidamente para a Espanha.

O Santander quer competir com fintechs especializadas em transferir dinheiro entre países, como a TransferWise, que cobra tarifas mais baixas que bancos tradicionais.

No Brasil, outros bancos já aplicam a tecnologia blockchain. Ela é usada no Itaú na área de derivativos; e o BNDES vai testá-la em parceria com um banco alemão.

Com informações: Santander, Financial Times, Quartz.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Zanac_Compile

Agora pegou fogo. Aposto no lado BB e CEF pra curto prazo.

Bruno Sousa

😉👍

Você acha que isso chegará até o final de maio?

Zanac_Compile

Olha aí... eu já sabia... só não podia contar diretamente :)

Bruno Sousa

Você estava certo! :)

https://tecnoblog.net/24012...

Caleb Enyawbruce

Ata

Rodrigo Sanguanini

Blockchain e criptomoeda não são as mesmas coisas. Creio que Blockchain vai vingar, vai ser uma das "melhores invenções" desta década, diferente da criptomoeda. Blockchain não é filho da criptomoeda, mas um conceito criado para a criptomoeda funcionar.

Thiago Zilli Sarmento

Será que eles inovaram para fazer o serviço baseado na blockchain? Será que usaram PoW? PoS? DPoS? Qual a geração da tecnologia usada! Tomara que eles tenham feito um bom trabalho.

Zanac_Compile

Compreendo teu ponto de vista.

Mas o blockchain tem muito mais potencial, nem se compara ao torrent.

Aposto que o BACEN vai adotar e o SPB vai desaparecer. E sei que esse movimento começará muito breve.

Igor

Concordo que blockchain eh muito mais que bitcoin.
Agora sobre a utilidade do blockchain, acho que ele pode revolucionar mas não vejo que irá conseguir como estão prevendo. Não tem como acabar com o SBP, mesmo que a solução seja melhor que a atual, terá que ser centralizado no regulador, o que não faz sentido. Ai a questão pode ser, descentraliza tudo, abaixo ao governo, mas aí ja é outra discussão.
A tecnologia do torrent em si que eu acho muito revolucionária hoje tem muito menis impacto como se previa por exemplo, principalmente por questões legais, que é o mesmo caso do blockchain na minha visão.

Zanac_Compile

O blockchain pode controlar cartórios, eleições de um país, corridas de Uber, aluguéis do Airbnb, transações financeiras em reais, dólares e etc. Tudo com muito mais eficiência, confiança e velocidade do que as formas centralizadas, fechadas e limitadas que existem hoje.

Pode quebrar um Uber ou acabar com um SPB do Banco Central no Brasil.

Bitcoin é insignificante perto do blockchain.

Igor

Do século?! Não consigo enxergar tanto potencial assim, poderia dizer?

theneus

prezados, aconselho antes de falar das moedas virtuais (cryptomoedas), ir mais a fundo sobre o que são e o que compõem... o que elas irão fazer a "criar uma moeda universal"...algo descentralizadas.... e não pertencendo a um pais ou governo... algo que infelizmente estamos acostumados (tudo o que temos o governo primeiro tem que "tomar" conta para tirar a parte dele sem fazer nada)......

Zanac_Compile

E é verdade. O blockchain é a invenção do século. Lembra qdo veio a internet e o e-mail pra acabar com as cartas? Agora é muito maior.

A cripto moeda é só um uso insignificante para o blockchain. Ele teve projeção com o bitcoin mas vai sobressair.

Zanac_Compile

Não é meio diferente.

É completamente diferente! :)

Blockchain vai muito além de Criptomoedas.

Está em vias de lançarem algo grande no sistema financeiro aqui do Brasil. Só esperar pra ver, não passa de maio.

🧙‍♂️ Mago Erudito® ᴾᴿᴱᴹᴵᵁᴹ

Grandes bancos estão tentando fazer a gente acreditar que só a tecnologia por trás do Bitcoin que é uma coisa boa e utilizável.

Exibir mais comentários