Início » Negócios » Banco Santander lança sistema baseado em blockchain entre Brasil e Europa

Banco Santander lança sistema baseado em blockchain entre Brasil e Europa

Por
14 semanas atrás
Já conhece a nova extensão do Tecnoblog? Baixe Agora

O banco Santander lançou nesta sexta-feira (13) um sistema de pagamentos entre países baseado em blockchain. O serviço “One Pay FX” permitirá enviar libras do Brasil para o Reino Unido.

O que é blockchain: indo além do bitcoin

O usuário — cliente pessoa física — pode ver a quantia exata de dinheiro que chegará ao destino antes de fazer uma transferência. Ela será efetuada no máximo até o dia seguinte; em sistemas tradicionais, isso pode levar vários dias.

Divulgação/Santander

Ana Botín, presidente-executiva do Santander

Isso é possível graças ao blockchain. Ele usa como base um ledger distribuído, ou seja, um sistema que registra as transações e que é compartilhado por toda a rede — no caso, os escritórios do Santander no Brasil e no Reino Unido. Essas transações precisam ser verificadas por todos os participantes, evitando fraudes.

O Santander está usando aqui a tecnologia de blockchain criada pela Ripple. No entanto, o banco não usa o token XRP para transferir fundos entre países.

O app One Pay FX está disponível inicialmente no Reino Unido, apenas para iOS. É possível transferir até £10.000 por dia, e não há taxas de transação para o envio. A autorização é feita via Touch ID ou, no caso do iPhone X, via Face ID. É preciso ter um cartão de débito do Santander registrado no Apple Pay.

Clientes no Reino Unido podem transferir euros para 21 países da Europa, e dólares para os EUA. Na Espanha, será possível enviar fundos para Reino Unido (apenas libras) e EUA (apenas dólares). Enquanto isso, Brasil e Polônia ficam restritos a transferências de libras para o Reino Unido.

O Santander diz que planeja expandir o serviço para mais países e mais moedas nos próximos meses. Além disso, o tempo para as transferências vai diminuir — elas vão acontecer de forma quase instantânea.

Ana Botín, presidente-executiva do Santander, diz ao Financial Times que o projeto levou dois anos para ser desenvolvido. Ela ficou mais interessada depois de ver o filho usando um serviço rival para transferir dinheiro mais rapidamente para a Espanha.

O Santander quer competir com fintechs especializadas em transferir dinheiro entre países, como a TransferWise, que cobra tarifas mais baixas que bancos tradicionais.

No Brasil, outros bancos já aplicam a tecnologia blockchain. Ela é usada no Itaú na área de derivativos; e o BNDES vai testá-la em parceria com um banco alemão.

Com informações: Santander, Financial Times, Quartz.

Mais sobre: , ,