Início » Negócios » Amazon esbarra em impostos, logística e fornecedores para crescer no Brasil

Amazon esbarra em impostos, logística e fornecedores para crescer no Brasil

O planejamento da Amazon previa expandir a venda direta em setembro, mas dificuldades adiaram os prazos

Por
05/11/2018 às 17h15
Já conhece a nova extensão do Tecnoblog? Baixe Agora

A Amazon desembarcou no Brasil em 2012 pensando em aumentar sua presença internacional. A companhia começou com livros e logo passou a oferecer produtos eletrônicos, de cozinha e de moda em seu marketplace.

Porém, ele ainda tem dificuldades para travar uma disputa equilibrada com marcas do varejo brasileiro. Segundo a Reuters, a Amazon considera o sistema tributário brasileiro complexo. Além disso, a logística do país é desafiadora e a relação com fornecedores não tem sido fácil.

Amazon

Algumas empresas têm reclamado do fato de a Amazon ser pouco flexível em negociações de preço, mesmo com pouca participação no mercado interno. Por esse motivo, muitas desistem de vender seus produtos na plataforma.

Uma das que aceitaram é a Lenovo, que após meses de negociações, chegou a um acordo nas últimas semanas. A fabricante de eletrônicos participará da expansão do setor de venda direta da Amazon, em um modelo conhecido como “1P”.

Nele, ao contrário do marketplace, a Amazon lida com a entrega e o atendimento aos clientes. Mas, de acordo com funcionários, fornecedores e consultores entrevistados pela Reuters, a empresa tem levado mais tempo que esperava para começar a atuar nessa plataforma.

O plano era ativar o formato ainda em setembro. Para isso, a empresa alugou um galpão em São Paulo e chegou a um acordo de logística com a Azul. No entanto, as complicações com impostos são apontadas como uma das responsáveis pelos atrasos.

Algumas pessoas cientes da operação da Amazon no Brasil também citam como obstáculso os grandes congestionamentos nas rodovias e os frequentes roubos de carga.

Os desafios devem fazer com que a venda direta no Brasil seja limitada em relação ao que existe na Índia e no México, por exemplo. Com isso, superar empresas como B2W (Americanas, Submarino e Shoptime) e Magazine Luiza tende a ser uma tarefa ainda mais complicada.

Para aumentar a pressão, a empresa reduziu o ritmo de crescimento das vendas internacionais ao final do terceiro trimestre. Em setembro de 2017, a alta na comparação com o mesmo período do ano anterior foi de 29%; em setembro deste ano, ficou em 13%.

A Amazon tem pela frente a Black Friday, uma das principais datas do varejo brasileiro, para acionar sua plataforma de venda direta. Mas alguns parceiros da marca ainda se perguntam se o modelo estará pronto até lá.

Mais sobre: