Início » Negócios » Executiva da Huawei é solta em liberdade condicional após pagar US$ 7,5 milhões

Executiva da Huawei é solta em liberdade condicional após pagar US$ 7,5 milhões

Meng Wanzhou é diretora financeira da Huawei e filha do fundador; ela foi presa por suspeita de fraude

Por
36 semanas atrás

A diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, teve a liberdade condicional concedida pela justiça do Canadá nesta terça-feira (11) após pagar uma fiança de US$ 7,5 milhões. Ela enfrenta acusações de fraude e violação de sanções dos Estados Unidos contra o Irã, podendo pegar até 30 anos de prisão.

Meng Wanzhou

Meng Wanzhou

Filha do fundador Ren Zhengfei, Wanzhou foi presa no Canadá a pedido dos Estados Unidos no dia 1º de dezembro, no aeroporto de Vancouver. Ela havia partido de Hong Kong e tentava seguir para o México. Os americanos acusam Wanzhou de participar de uma conspiração para fraudar instituições financeiras por meio de uma empresa de Hong Kong chamada Skycom.

Os Estados Unidos sustentam que Wanzhou se aproveitou da Skycom, empresa da qual seria integrante do conselho, para trabalhar com o Irã entre 2009 e 2014. A Skycom, que seria uma subsidiária da Huawei, teria negociado a venda de equipamentos da HP com o Irã. Além disso, bancos americanos seriam usados para que a empresa recebesse o dinheiro do Irã.

Como parte do acordo com a justiça, Wanzhou deverá permanecer na província da Colúmbia Britânica, no Canadá. Ela não poderá sair entre 23h e 6h de uma de suas casas, avaliada em US$ 5,6 milhões. A CFO também precisará entregar seu passaporte às autoridades e ficará sob constante vigilância com uma tornozeleira eletrônica.

EUA, jornais estatais chineses e Huawei se pronunciam

O presidente Donald Trump diz que pode intervir no caso de Wanzhou caso isso sirva aos interesses nacionais, acrescentando que ainda não recebeu nenhum telefonema do presidente chinês Xi Jinping.

A China, por meio de seus veículos controlados pelo governo, vem publicando editoriais acusando os Estados Unidos de desrespeitarem leis internacionais, relembrando o caso do assassinato do jornalista saudita Jamal Khashoggi.

A Huawei afirma que segue todas as leis aplicáveis em todos os países em que opera, respeitando os controles de exportação e sanções comerciais das Nações Unidas, Estados Unidos e União Europeia, e aguarda uma solução para o caso.

Com informações: The Verge, TechCrunch, Reuters.

Mais sobre: ,
Participe das conversas do Tecnoblog

Leia o post inteiro antes de comentar
e seja legal com seus amiguinhos.

Carregar Comentários Conheça nossa política de comentários aqui.