Início » Brasil » Governo terá “WhatsApp” próprio para ministros e deputados

Governo terá “WhatsApp” próprio para ministros e deputados

A plataforma está sendo discutida pela Casa Civil e reuniria dados sobre a atuação de parlamentares

Por
28 semanas atrás

O presidente Jair Bolsonaro aposta nas redes sociais para divulgar ações do governo e até mesmo para trocar mensagens com ministros. Agora, ele poderá formalizar a comunicação interna por meio de um aplicativo semelhante ao WhatsApp.

Segundo O Globo, o governo pretende criar uma rede social para ministros e parlamentares. O serviço reuniria dados sobre a atuação de deputados em votações, os cargos indicados por eles no governo e a execução de emendas concedidas aos seus estados.

Jair Bolsonaro, candidato a presidência pelo PSL (Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Para o governo, a plataforma serviria para discutir programas de ministérios com deputados e melhorar a relação de olho na aprovação de projetos. Coordenado pela Casa Civil, o projeto foi revelado pelo ministro da Secretaria de Governo, Carlos Alberto dos Santos Cruz.

“Vai ser um aplicativo interno que todo mundo vai poder entrar: parlamentares e ministros, uma coisa legal”, disse ao Globo o secretário especial para a Câmara, Carlos Manato. “A ideia é mostrar, por exemplo, quais programas há na ação social, na saúde, e aí os deputados vão ver os programas, poder passar para os prefeitos, divulgar, tendo acesso online”.

Ainda de acordo com o jornal, a proposta foi recebida com certo desconforto por deputados, que a veem como pouco efetiva e consideram a reunião de informações uma forma de cobrar fidelidade ao governo.

Alguns definem a proposta do app como “espionagem”. Eles questionam a possibilidade da plataforma reunir dados sobre cônjuges e filhos, por exemplo. Com o temor, surgiram entre os próprios deputados piadas imaginando a inclusão de dados sobre amantes.

Os integrantes do governo afirmam que a ideia do aplicativo ainda é incipiente e está em elaboração. Eles adiantam, porém, que o serviço não exigirá a inserção de dados pessoais.

Com 513 deputados de dezenas de partidos, a relação entre governo e Câmara costuma ser complexa. O aplicativo poderia simplificar muitas coisas, mas, em tempos de vazamentos de áudios, é importante tomar cuidado com as mensagens que serão enviadas.

Mais sobre: