Início » Celular » LG K61: boa roupa em corpo com quase nenhum músculo e cérebro

LG K61: boa roupa em corpo com quase nenhum músculo e cérebro

O LG K61 tem tela grande, corpo bonito e promete ser o melhor intermediário que você pode comprar, mas faltou caldo no feijão

André Fogaça Por
Nota Final 7.6

O K61 é o mais recente intermediário da LG com tela grande, quatro câmeras na parte traseira, visual que chama atenção de longe e veste bem uma roupa de modernidade e furo no display para colocar a câmera frontal. Este conjunto de recursos pode ser interessante, mas alguns detalhes podem azedar o caldo e eu já adianto: azedou. Vem comigo que nos próximos parágrafos eu te conto onde deu ruim.

Análise do LG K61 em vídeo

Design

O aparelho segue o bom caminho que a LG trilhou na geração passada de seus intermediários, ao menos no visual. Ele continua com boa aparência, coloca brilho e reflexos em muitos pontos do gadget que imitam bem um material mais caro, como na traseira que é de plástico e com excepcional semelhança com vidro. A boa apresentação em plástico não chega a ser um problema em um intermediário em pleno 2020.

lg k61 frente hero

Um detalhe que chama atenção é a presença de um botão que trabalha pra chamar o Google Assistente. É uma adição bacana e ajuda o usuário que precisa de mais acesso ao assistente pessoal, deixando o chamado por “Ok Google” de lado, mas que nos meus testes iniciais passou outra impressão. O botão funcionou mais como o botão errado que eu apertava quando queria baixar o volume ou capturar a tela.

Com o tempo eu fui aprendendo e o dedo começou a passar para o botão do meio nesta lateral. Para ajudar neste aprendizado a LG poderia ter escolhido uma textura diferente para o botão.

lg k61 brilho

 

A conexão USB é USB-C e a entrada pra fones de ouvido continua viva, o que é ponto positivo em momentos de morte desse plugue. Outro acerto da LG é a bandeja tripla que acomoda perfeitamente dois SIM cards e um cartão microSD. Por dentro o aparelho conta com 128 GB e isso é mais do que o suficiente para grande maioria das pessoas, mas ter a opção de poder colocar um cartão de memória é sempre positivo.

A LG continua estampando o nome “resistência militar” na caixa e promete que este celular vai sobreviver com mais facilidade junto da vida do usuário, seja no bolso confortável sem nada ou dividindo espaço com a chave e até mesmo ao inferno que é a mochila recheada de coisas, tudo raspando e batendo. Um detalhe deixa claro que resistência militar não torna o celular indestrutível: vem uma capinha na caixa. Daquelas simples, de silicone e que servem bem seu propósito.

lg k61 sim card

Por fim, um leitor de impressões digitais está na parte traseira. Ele é veloz como quase toda concorrência é, mas eu senti que o sensor poderia estar mais para baixo. Como o celular é grande, levar o dedo até o leitor faz a mão se movimentar pela traseira.

Tela e som

A LG tem histórico de bons painéis LCD. Por aqui a expertise da coreana continua meio que a mesma, com reprodução de cores satisfatória para um intermediário, resolução Full HD nas 6,53 polegadas em proporção de 19.5:9, ângulo de visão generoso e brilho dentro do esperado. Não surpreende, mas peca em um ponto e poderia ser melhor em outro.

lg k61 tela

O ponto errado está justamente na escolha do tipo de notch que aparece no topo do display. Eu costumo preferir este tipo de furo no lugar do bigode que a LG usou em alguns modelos, mas por aqui o fim da tela está muito próxima de um dos cantos do furo pra câmera. Além de dar uma sensação de curva errada, existe uma espécie de aura escurecida que fica no entorno do notch. Parece uma falha na iluminação e isso é mais notado em imagens brancas.

O lado que poderia ser melhor é justamente a escolha por um painel LCD, mesmo que IPS. A Samsung, por exemplo, já utiliza telas AMOLED em praticamente toda linha de intermediários, partindo do Galaxy A30. Telas AMOLED são superiores ao LCD na saturação e na leitura em ambientes ensolarados.

Seria legal o K61 com AMOLED ou OLED? Sim, seria.

Fechando a parte de multimídia, fica uma ressalva para a caixa de som. O falante não é bom e ama de paixão os agudos. Eu bem sei que alto-falante de smartphone não tem espaço suficiente para soar bem, mas o K61 toca músicas como se fosse um radinho de pilha do seu avô.

Ao plugar um fone de ouvido, é possível ligar o modo DTS: X 3D Surround. Que melhora um tanto de vários nadas no fone que acompanha o celular. Na verdade ele piorou o som, aumentando as ondas médias quando eu coloquei um fone de ouvido grande, over-ear.

lg k61 falante

Desempenho e software

Se na tela ele escorregou, mas levantou e continuou andando, no desempenho o K61 desanima bastante. A LG escolheu um chip da Mediatek, um Helio P35 que roda oito núcleos com ajuda de 4 GB de RAM e uma GPU PowerVR GE8320. São ótimos números na parte de marketing, tanto que quase tudo isso está impresso na caixa do aparelho, mas no cotidiano o resultado é um dos piores que já vi em um intermediário, pior ainda por ser o intermediário mais caro da LG.

Encontrar quedas no desempenho não é uma tarefa difícil, basta ligar o celular e puxar a área de notificações para ver este ponto correndo longe de onde o dedo está. Dar uma corrida na timeline do Twitter é ver engasgos, no Facebook também, só que com soluços mais acentuados e tudo isso com apenas o aplicativo de cada rede social aberto, sem nada no fundo.

Uma situação ainda pior aparece quando qualquer aplicativo recebe uma atualização pela Play Store. É ver o ícone de app atualizando para esse cenário de engasgos piorar ainda mais. O celular vira uma carroça com o cavalo mancando.

Este poderia muito bem ser o desempenho de um smartphone simples, de entrada e que não custa quatro dígitos, mas o K61 é o mais caro e potente intermediário que seu dinheiro pode comprar na LG, não deveria ser assim.

Em jogos a situação melhora, mas não tanto. Testei Asphalt 9 que rodou com os gráficos no mínimo, com muito serrilhado e poucos detalhes, com queda frequente na taxa de quadros por segundo. Travamentos aconteceram e não foram raros não. Call of Duty Mobile conseguiu desempenho melhor, mantendo os gráficos no mínimo possível e que eram a única escolha dentro dos ajustes do game.

PUBG conseguiu resultado pouco superior, sem quedas bruscas no desempenho, mas com aquele soluço aqui e ali – principalmente em momento com mais jogadores na frente do seu, no meio do tiroteio. Assim como aconteceu nos outros games, neste as configurações gráficas ficaram nas mais simples, que é como deve seguir o K61 em praticamente qualquer outro jogo intenso.

Isso significa que ele é ruim para jogos? Sim, mas não que rodar algo mais simples seja impossível. Um Candy Crush da vida vai bem, roda lindo.

Se no desempenho o K61 não é um primor, no software que roda abaixo da tela existe um misto de evolução e problema. A evolução está na interface da LG, que refinou alguns ícones e passou até mesmo a deixar todos os ajustes listados logo de cara, mudando aquele visual separado em abas por tipo de configuração.

Por outro lado, animações de esticar a tela continuam por aqui desde sempre e em pleno 2020, quando os testes do Android 11 estão acontecendo a pleno vapor, o K61 foi lançado com o Android 9 Pie e sem qualquer previsão de atualização. Isso significa que o lançamento da LG pra 2020 escolheu sistema de 2018, quando a concorrência lançou seus intermediários com ao menos o Android de 2019, que até o momento da publicação deste review é o Android mais recente para o público.

lg k61 android versao

Utilizar o Android 9 em 2020 é um problema? Não, praticamente qualquer app vai rodar e o Play Services entrega algumas novidades por fora de um firmware novo, mas passa a sensação de descaso, de que a linha K não é importante. E isso não é bom.

Câmeras

Ok, se no desempenho o K61 não brilha, nas fotos ele faz isso né? Não, mas ao menos aqui ele não é ruim, só não se sobressai mesmo. Ao todo são quatro câmeras no esquema que o marketing ama dizer, mas que na verdade você utiliza três, já que uma delas está lá só para medir a profundidade em fotos no modo retrato.

lg k61 lentes

A lente principal é de 48 megapixels e abertura de f/1.8, seguido de um sensor secundário para fotos ultrawide com 8 megapixels e abertura de f/2.2.

Estes são os dois sensores que você efetivamente escolhe logo de cara no app de câmera, com resultados que são OK quando a quantidade de luz favorece, mostrando detalhes interessantes e pouco ruído.

O balanço de branco me deixou desanimado, que fez fotos com a lente principal ficarem mais quentes, enquanto que a mesma foto, só mudando a lente pra ultrawide, ficou mais fria e que é como chamamos o tom azulado.

De noite o ruído fica gritante, o que é ruim para uma abertura que deveria ajudar nesse trabalho. O problema me cheira a dificuldade do processador lidar com a informação que vem do sensor. Se a foto noturna for com a lente ultrawide, ela será ainda mais escura e com granulado mais visível, só que com menor quantidade de pontos estourados – isso é bom até.

As duas outras lentes são de 5 megapixels para macro e 2 megapixels para o modo retrato, que acerta mais ou menos 80% do recorte que precisa fazer nos ombros e no cabelo.

Macro fica bem perto? Mais ou menos, já que o foco acontece de forma fixa apenas em quatro centímetros de distância. Também me incomodou o acesso até este modo, que está em um ícone escondido dentro de uma opção chamada “Mais” no do app de câmera. Eu tenho certeza que a maioria das pessoas via tirar foto com a lente normal, achando que é macro.

Na parte da frente as selfies podem ser feitas com a câmera de 16 megapixels, que faz bem o trabalho de fazer até mesmo o modo retrato com uma só lente. A qualidade segue basicamente o mesmo das outras lentes: fotos boas com muita luz e granuladas em ambientes mais escuros.

Bateria

Alimentando tudo isso que falei até aqui temos 4.000 mAh de bateria, que é o suficiente para um uso mais moderado durante todo o dia. Rodando um vídeo em Full HD, esticado pra preencher toda a tela e no brilho máximo, que é como um vídeo rodará em ambiente bem iluminado, o K61 consome 9,33% de bateria por hora.

Um carregador de 10 watts acompanha o smartphone e ele leva 28 minutos na tomada para chegar em 30% de recarga a partir do zero, com a bateria completamente preenchida em duas horas e 18 minutos. Não é uma marca tão ruim.

Conclusão

Vale a pena? Não.

A LG veio acertando quando lançou a geração passada dos aparelhos da linha K, mas errou bastante no K61. Ele tem quatro câmeras, que você realmente só utiliza três no cotidiano e nenhuma delas oferece resultados superiores aos concorrentes diretos. Tem corpo em plástico bem bonito, que não é um ponto negativo, mas despencou da ribanceira do desempenho, oferecendo engasgos e soluços até quando só um app estava aberto.

Este problema é ainda mais sério pelo momento que acontece. Todo review é feito com um smartphone recém lançado e que vem formatado de fábrica, momento de melhor desempenho de todo produto, seja ele um computador, tablet ou smartphone. Me dá medo de pensar como estará o desempenho do K61 daqui um ou dois anos de uso.

Em jogos a situação não melhora muito. Os resultados seriam aceitáveis em um aparelho de entrada, mas o K61 não está neste segmento e nem cobra o que um Android de entrada tende a custar. É bem mais caro. Tudo isso com Android 9 Pie de 2018 em pleno 2020, sem a LG sequer dizer quando e se vai atualizar o aparelho.

Seus concorrentes diretos são o Moto G8 Plus, Galaxy M31 e A31. O Moto G8 Plus oferece câmeras melhores, desempenho superior e Android mais recente, cobrando menos. O mesmo acontece com os dois modelos da Samsung, que conseguem entregar até mais bateria – vale lembrar que o A31 utiliza o Helio P65, que deveria ser o processador do K61 para evitar tanto problema em desempenho.

Todos estes são celulares melhores e com valor muito próximo do que cobra a LG pelo K61. Por R$ 1,9 mil, fica impossível recomendar o K61 pra qualquer pessoa. Se você ainda assim quer um LG, minha dica é esperar ao menos seis meses depois do lançamento pra ver como fica o preço. Aparelhos da LG depreciam muito rapidamente e o K61 só faz sentido se ele custar perto de R$ 1,2 mil, ou menos.

LG K61

Prós

  • Corpo bonito
  • Muitas opções para fotos
  • Interface da LG finalmente evoluiu

Contras

  • Desempenho péssimo em todo momento
  • Recorte do notch parece ter falhas
  • Muitas câmeras não fazem boas fotos
  • Android defasado no lançamento
Nota Final 7.6
Tela
8
Design
9
Câmera
7
Bateria
8
Software
8
Desempenho
5
Conectividade
8

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
16 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação