Início » Gadgets » GoPro lança mochilas, mala e até pochete no Brasil porque sim

GoPro lança mochilas, mala e até pochete no Brasil porque sim

Os acessórios fabricados pela GoPro para o cotidiano apostam forte no peso da marca que foi construída com suas câmeras de ação

André FogaçaPor

A GoPro anunciou nesta semana que colocou mais produtos na prateleira de sua loja online no Brasil e eles não são novas câmeras ou acessórios para elas, mas sim mochilas, uma pequena mala e até mesmo uma pochete que por aqui ganhou um nome chique só para não ter aquela cara de anos 90 mesmo.

bolsa mochila gopro

Esta pode ser uma novidade interessante para quem procura manter a mesma marca que já está na câmera, mas agora na mochila que pode levar a GoPro, seus acessórios e um bocado mais de outras coisas. Os produtos incluem um boné, estojo leve exatamente para a câmera, garrafa térmica para água e três tipos de mochila, sendo que uma delas pode sobreviver tranquilamente ao pé d’água que pode aparecer na vida.

O que mais chamou atenção foi a pochete e que tem nome de Sling, com descrição de “bolsa transversal minimalista”, mas que eu chamo de pochete mesmo. Tirando a parte da nostalgia do final do século 20, a pochete também pode viver tranquilamente em um cenário de neve ou chuva leve, sem molhar o que está dentro.

pochete sling gopro

Nenhum destes produtos é inovador ou único no mercado, mas apostam forte no peso que a marca construiu ao longo dos anos com sua linha de câmeras de ação – que estão vendendo pouco, mesmo com bons produtos aparecendo a cada ano.

Quando e quanto?

Por enquanto apenas a bolsa, as mochilas e a pochete estão disponíveis no Brasil, com preços que variam entre R$ 299 para a pochete, R$ 449 para a mochila com abertura superior (Slash) e R$ 999 que é o custo da mala (Mission) e o mesmo para a mochila com espaço para notebook (Daytripper). O estojo para câmera (Casey) pode ser comprado por R$ 139 ou R$ 299, dependendo do tamanho. Outros produtos começam a chegar a partir do dia 19 de agosto.

Assinantes do GoPro Plus, plano com armazenamento ilimitado em nuvem que custa R$ 15,90 por mês ou R$ 159,90 por ano, ganham 30% de desconto em todos os itens.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
3 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

² (@centauro)

Ë, imagino que o preço não ajude, além do fato de já ter concorrentes no mercado (talvez não tão boas quanto, mas que oferecem um bom custo benefício).

Ramiz (@Ramiz)

Os preços da GoPro nem são tão caros se for pensar na aplicação. O problema é que é uma câmera que não apresenta evolução óptica o suficiente para seduzir o cliente a comprar uma nova. Eu tenho uma Hero 3+ Black que acompanha trabalhos e viagens desde 2013 e com sua abertura de f2.8 eterno. Claro, falta estabilização óptica e melhorias para captura noturno, mas no geral atende da mesma forma. Em tempos de smartphone com câmera ultra wide, perdeu mais ainda o apelo.

² (@centauro)

Eu realmente não sei se as pessoas estão dispostas a usar seus smartphones como action cams.
E teve muitas melhorias desde o Hero 3+, que foi lançado em 2013~2014.
A estabilização de imagem do 8 é bem bacana (e não tem no 3+), o balanço de cores do 8 é bem melhor que no 3+, o microfone do 8 também é bem superior ao do 3+.
Fora que no Hero 8 você nem precisa mais de case, porque o case é o corpo da própria câmera, o que também é bacana.

No fim, depende muito do uso.
Pro uso “original”, que é ser uma câmera para filmar atividades mais radicais, eu acho que não tem smartphone que seja um substituto tão bom (considerando qualidade de filmagem e forma).

Ramiz (@Ramiz)

Bom, cada um tem seu uso. Dentro do meu ramo de trabalho a GoPro entra sempre como câmera secundária ou terciária, aquela que você pendura no alto do palco para uma imagem aberta, no vidro interno do carro para uma tomada interna ou na lateral do carro para uma tomada externa, num carrinho para filmar em movimento em um lugar apertado, na cabeça para gravar uma prova de cross country e por aí vai. Aí tem a vantagem da câmera estar em uma case - dificilmente a câmera fica danificada, pois tanto ela quanto lente estão protegidas. Podem receber caixas mais resistentes e estanques que aguentam mergulhar em maior profundidade. Mas… Isso não muda o fato da óptica não oferecer nada a mais que não possa ser corrigido na pós em 3 cliques - até por que normalmente se usa o balanço de cores neutro e o microfone só para sincronia de audio (que é captado por lapela). Como disse, apenas a estabilização óptica faz falta … em partes.

Quando cito ultra wide no smartphone eu não estava imaginando o público que usará a câmera profissionalmente ou para prática de esportes, mas do cara que vai filmar um passeio de bike, a galera na piscina, fotografar ambientes fechados (muito comum para corretores de imóveis), que vai entrar numa galeria de museu, estádio e afins. Uso cotidiano onde muita gente comprava a GoPro como 2ª câmera para completar as que vinham no smartphone ou como ultrawide por ser mais barata que uma lente dedicada.

Edit: Ah, a estabilização de imagem das GoPro são limitadas! Funcionam a contento apenas no Modo Wide ou inferior pois para estabilizar a câmera usa “crop” reduzindo a amplitude de imagem, da mesma forma que fazemos na ilha de edição.