Início » Internet » Sites da Caixa e TJRS que exigem Adobe Flash continuam no ar

Sites da Caixa e TJRS que exigem Adobe Flash continuam no ar

Adobe Flash foi programado para não funcionar a partir de janeiro de 2021, mas é usado na Caixa e em sistemas do RS e ES

Felipe VenturaPor

O finado Adobe Flash ainda está entre nós: o plugin foi programado para não funcionar mais a partir de 12 de janeiro de 2021; no entanto, um mês depois, ele segue presente em um sistema da Caixa Econômica Federal, no portal de processos eletrônicos do TJRS (Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul), e em um site do governo do Espírito Santo.

Caixa requer Adobe Flash em sistema RML Web (Imagem: Reprodução)

Caixa requer Adobe Flash em sistema RML Web (Imagem: Reprodução)

O sistema da Caixa em questão é o RML Web 2.0, da plataforma Conectividade Social, usado por contadores principalmente para consultar o extrato de FGTS com fins rescisórios.

A página ainda usa a identidade visual antiga da Caixa, e hoje é ocupada por uma grande área cinza com o aviso “o plug-in Adobe Flash Player não é mais compatível” no Google Chrome.

Em comunicado ao Tecnoblog, a Caixa afirma que “a plataforma Conectividade Social Empregador (conectividade.caixa.gov.br) também gera os relatórios solicitados no formato texto (txt), dessa forma, as funcionalidades, informações e serviços permanecem totalmente disponíveis para as empresas”.

Para acessar esse arquivo em formato texto, é necessário seguir estes passos:

  • no Conectividade Social, vá em Caixa Postal e clique em Caixa de Entrada;
  • selecione o tipo de documento desejado na lista (como o Extrato Analítico do Trabalhador);
  • na parte inferior da tela, clique em Receber;
  • vá até a pasta de downloads e abra o arquivo: clique com o botão direito, selecione Abrir com… e escolha Bloco de Notas.

Há também a opção de usar o Visualizador RML, criado pelo desenvolvedor Pablo Cruz: isso não requer instalação e pode ser usado diretamente no navegador. O código do projeto está disponível no GitHub.

Sites recomendam usar navegador com Flash

Pale Moon, navegador com suporte a Adobe Flash (Imagem: Divulgação)

Pale Moon, navegador com suporte a Adobe Flash (Imagem: Divulgação)

No caso do Espírito Santo, o caso é um pouco mais complicado. Para acessar o GEO-OBRAS ES, software do Tribunal de Contas do Estado para gerenciar informações de obras públicas, não há como fugir do Adobe Flash.

Aqui, trata-se do Pale Moon, criado com base no Firefox mas com várias diferenças na interface e no código. Este browser é necessário para ter acesso aos módulos Auditor e Jurisdicionado do sistema.

Em uma página de suporte, a equipe do Pale Moon explica que o navegador continuará rodando plug-ins NPAPI como Java, Microsoft Silverlight e Flash, mesmo após o fim do suporte da Adobe. “Ao contrário do Firefox, não vamos deprecar nem remover suporte a esses tipos de plug-ins”, avisa o documento.

GEO-OBRAS ES pede para instalar Pale Moon (Imagem: Reprodução)

GEO-OBRAS ES pede para instalar Pale Moon (Imagem: Reprodução)

No Rio Grande do Sul, a solução é parecida: o PPE (Portal do Processo Eletrônico), recurso essencial para advogados, exige que você baixe outro navegador.

A página do PPE avisa que “o TJRS está trabalhando para implantar uma nova ferramenta de visualização” e, dessa forma, não depender mais do velho plugin da Adobe. Mas, até lá, não há outra forma de acessar online os autos e vídeos das audiências.

Por isso, a OAB/RS (Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Rio Grande do Sul) precisou criar um vídeo para orientar usuários a baixar uma versão do Firefox Portable que ainda é capaz de rodar conteúdo em Flash.

Você conhece mais algum sistema no Brasil que ainda dependa do Flash Player?

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
16 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Everton Favretto (@evefavretto)

Pagar a Harman pelo suporte que é bom, nada.

Mateus B. Cassiano (@mbc07)

Melhor planejada? A Adobe descontinuou o Flash em 2017, no mesmo anúncio também divulgaram o fim do suporte do plugin para o final de 2020.

Todos esses sites tiveram tempo mais do que suficiente para se adequarem, sem contar dos diversos “lembretes” por parte dos navegadores que pouco a pouco vieram dificultando a execução do plugin com o passar do tempo…

Bruno Who? (@brunossn)

Meu Deus amigo, quanto ódio, rs