Início » Jogos » Sony sofre nova derrota na Justiça de SP após banir PS5 de forma permanente

Sony sofre nova derrota na Justiça de SP após banir PS5 de forma permanente

Cláusula da Sony que permite banir PS5 da PSN é abusiva, decide juíza; dono do console compartilhou jogos da PS Plus Collection

Felipe VenturaPor

A Sony não pode fazer bloqueio permanente do PlayStation 5 caso o usuário viole suas regras, porque a cláusula que prevê isso nos termos de uso é abusiva e viola o Código de Defesa do Consumidor. É o que decidiu uma juíza do TJ-SP (Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo) sobre o caso do PS5 que foi banido da PSN após o dono compartilhar jogos da PS Plus Collection.

PS5 (Imagem: Divulgação/Sony)

PS5 (Imagem: Divulgação/Sony)

Por que o PS5 foi banido pela Sony?

Para entender este processo judicial, você precisa saber de três coisas:

No processo judicial em questão, o dono de um PS5 confirma que distribuiu a PS Plus Collection para diversas pessoas. Em 9 de dezembro de 2020, ele viu este aviso ao ligar o console: “o acesso desse PS5 à PlayStation Network foi suspenso”. O suporte da Sony explicou que havia “banido permanentemente” o dispositivo, sem chance de reverter a decisão.

O dono do PS5 abriu um processo e pediu que o console fosse desbloqueado durante o andamento do caso na Justiça, já que não poderia esperar até uma decisão final (o PS6 poderia ter saído até lá). No final de dezembro, a Sony cumpriu uma decisão liminar e reverteu o banimento do PS5 – foi sua primeira derrota.

Bloqueio permanente do PS5 é abusivo, diz juíza

Agora, a juíza Carolina Santa Rosa Sayegh faz o julgamento do mérito: o PS5 podia ser banido dessa forma? Ela acredita que não, explicando que a Sony descumpriu dois fatores: o dever legal de prestar informação clara e precisa sobre seus produtos e serviços; e o dever de manter uma relação paritária na medida do possível, porque o consumidor é considerado parte vulnerável.

A juíza escreve que, em primeiro lugar,  a Sony não informa adequadamente o usuário do que pode acontecer caso ele descumpra as regras. As punições constam no contrato sem qualquer destaque, tal como fonte maior ou campo específico, e “a gravidade das consequências contratuais impostas assim o exigiam”.

Além disso, a empresa não dá detalhes sobre como seriam essas punições. O contrato menciona a suspensão e/ou cancelamento de serviços e produtos, porém “sem a mínima especificação de forma, prazo e afins”. Segundo a magistrada, isso viola o dever de informar acerca da punição contratual.

PlayStation 5 (Imagem: Divulgação / Sony)

PlayStation 5 (Imagem: Divulgação / Sony)

Tem mais: para Sayegh, o bloqueio permanente do PS5 pode estar até previsto em contrato, mas viola o CDC (Código de Defesa do Consumidor). Ela explica que a restrição “coloca o consumidor em desvantagem exagerada, sendo nitidamente abusiva”; portanto, seria nula de pleno direito.

A juíza não descarta a possibilidade de um bloqueio temporário, mas diz que essa medida não pode ser irreversível, já que isso afeta o patrimônio do consumidor de modo absoluto.

Por fim, Sayegh levanta um ponto interessante: ela acredita que o bloqueio permanente do PS5, aliado a uma suspensão temporária da PS Plus, beneficia a Sony “de maneira patentemente desproporcional”.

Afinal, o cliente poderia gastar mais R$ 4 mil para comprar um novo console que funcionaria normalmente com sua conta, e ainda teria que pagar a assinatura da PS Plus. “Coloca-se, assim, o consumidor em desvantagem exacerbada, desmotivada e desproporcional, o que não se admite”, escreve a magistrada.

Nada de danos morais

O processo pedia, além do desbloqueio permanente do PS5, uma indenização por danos morais no valor de R$ 15 mil. No entanto, para a juíza, “o pedido de danos morais não se justifica”.

Ela afirma que a Sony violou o dever de informação e foi desproporcional em sua punição – mas nada disso “representa violação à honra, intimidade ou reputação”. Para a magistrada, o aborrecimento “não atingiu o grau necessário a justificar indenização por dano moral”.

Esta é uma decisão de primeiro grau e ambas as partes podem recorrer.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
11 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Igor Lana de Melo (@igor_meloil)

Acho que nunca vi uma sentença tão bem embasada e bem justificada assim, parabéns à juíza.
Embora eu ainda ache q o usuário deveria sim sofrer alguma punição por claramente abusar do “brinde” do ps5 em prol de diversar outras pessoas.

Luis Paulo Lohmann (@Luplo)

Vim pra dizer o mesmo. Legal ver uma decisão bem fundamentada assim.

Sobre a punição, a própria juíza comentou que poderia existir. Mas precisa estar claramente descrita no contrato e não pode ser absurda ao ponto de praticamente inutilizar o produto.

Emanuel Schott (@Emanuel_Schott)

Moral da história pra Sony: aprende a permitir apenas um resgate por console. Creio que isso nem é difícil de implementar. Muita gente nem usou de má fé pra distribuir os jogos pra outras pessoas simplesmente porque era possível logar quantas contas quisesse e todas teriam direito aos jogos.

E concordo com os amigos ai de cima: muito bem fundamentada a decisão. Além da Sony em momento nenhum deixar claro no contrato o que aconteceria com quem distribuísse jogos dessa forma, acabando com aquela história de que “esta no contrato, tem que cumprir”, ainda usou de uma punição completamente desproporcional ao “delito”. É como uma pessoa ser condenada a prisão perpétua porque roubou uma banana no mercado pra comer.

Igor Lana de Melo (@igor_meloil)

Olha, a maioria q eu vejo internet à fora usou sim de má fé, incluindo quem vendia login e quem fez de graça pra mais de centenas de contas. Concordo q a sony devia limitar isso, talvez a no máximo 5 logins, considerando uma família de 5 pessoas em q todos joguem (q é difícil) e deixando isso bem especificado, bem como as possíveis punições.

Eu continuo firme e forte de q se está no contrato deve ser respeitado, mas concordo q tanto quantidade “limite” de logins quanto punições deviam ser expressamente descritas no mesmo.

Alex (@wuhkuh)

E pau no c* dos japonês kkk, e conte comigo pra tudo juíza!

Lucas Pinheiro (@LucasMiller)

Decisão mais do que justa!!!
É inadmissível uma empresa inviabilizar um produto adquirido pelo consumidor ser “inabilitado” de tal maneira pela empresa, pois isso além de ser contra o CDC, prejudica não só o usuário que cometeu a falha aos termos de uso da SONY, como outros usuários do mesmo console!
Se a SONY tivesse o mínimo de noção, a punição correta seria o banimento da conta da PSN, o que acarretaria perdas ao usuário, ao perder seus troféus, jogos comprados e ganhos da PSN, e amigos, porém nunca inviabilizar o console!!!

Águia Solitária (@LonelyEagle)

Excelente decisão… Já foi bem comentado aqui, só estou passando pra deixar minha opinião, não faz sentido inutilizar um produto de R$ 5 mil por um erro desse, mesmo que o cara tenha agido de má fé ou não, ele ainda pagou pelo console e têm o direito de usá-lo.

Emanuel Schott (@Emanuel_Schott)

Olha, a maioria q eu vejo internet à fora usou sim de má fé,

De fato. mas isso não invalida minha afirmação. Muita gente agiu sem má fé, simplesmente viram que era possível e saíram distribuindo jogos pra galera.

Eu (@Keaton)

A juíza não descarta a possibilidade de um bloqueio temporário, mas diz que essa medida não pode ser irreversível, já que isso afeta o patrimônio do consumidor de modo absoluto.

Uai… Então é só a Sony fazer o seguinte: 4 anos de banimento mas tipo regime brasileiro com progressão de pena… se o usuário se comportar (parar de abusar do sistema, jogar com disco, etc), sai em 12 meses. Ou seja, não é permanente e nem irreversível. É um prazo razoável para o infeliz pensar.

Mas o pior que a se a Sony fosse mesquinha, poderia fazer algo pior no lançamento do próximo: “Promoção não válida em território brasileiro”… ou mesmo nas promoções normais.

Eu acho interessante é que isso vai abrir um precedente enorme à ser explorado por jogador de coisa pirata… não só nos consoles da Sony.