Início » Saúde » IA está reduzindo sobrecarga no sistema de saúde em cidades brasileiras

IA está reduzindo sobrecarga no sistema de saúde em cidades brasileiras

Plataforma de telemedicina usa chatbot para diagnosticar casos graves, moderados e leves da COVID-19; foram mais 24 mil pacientes atendidos

Pedro Knoth Por

O Brasil vem enfrentando consecutivas ondas da COVID-19, que sobrecarregam o Sistema Único de Saúde – responsável pela cobertura médica de 75% da população brasileira. Mas uma plataforma de telemedicina que usa IA, ou Inteligência Artificial, está ajudando o SUS a respirar ao detectar e diagnosticar casos moderados e leves da doença. O chatbot tem um nome humano: Laura. Foi criada pela startup de healthtech homônima com o objetivo de criar diagnósticos ágeis para infectados pelo novo coronavírus.

Chatbot de telemedicina ajudou o SUS em três cidades (Imagem: engin akyurt/ Flcikr)

Chatbot de telemedicina ajudou o SUS em três cidades (Imagem: engin akyurt/ Flcikr)

IA ajudou a diagnosticar 24 mil casos de COVID-19

O estudo foi conduzido por grupos de pesquisadores do Instituto Laura Fressatto (Curitiba), da PUCPR, e da Fundação Getúlio Vargas (FGV EASP) e publicado nesta quinta-feira (17) pela revista científica Frontiers In Digital Health. A plataforma de telemedicina e a Laura foram usadas em três cidades: Curitiba (PR), São Bernardo do Campo e Catanduva (SP).

Os pesquisadores observaram que, das 130 mil interações com o chatbot e mais de 24 mil pacientes que completaram a triagem virtual, quase metade (45%) tinham sintomas leves de COVID-19, e um terço (33%) foram classificados como casos médios. Apenas 14% dos pacientes estavam em estado grave da doença.

Através da triagem virtual, o SUS agiu de forma mais coordenada e eficiente, segundo os pesquisadores. Os dados que comprovam essa agilidade foram coletados nas cidades entre julho e outubro de 2020.

Telemedicina no Brasil - modalidades

Foto: Henrique Pochmann/Tecnoblog

Tecnologia pode universalizar acesso à Saúde

O nome por extenso do chatbot é Laura Care. Essa IA foi desenvolvida em abril de 2020, especialmente para combater os efeitos da pandemia de COVID nos hospitais brasileiros; e foi programada usando a tecnologia de Processamento em Linguagem Natural (NLP) via fonte aberta da Rasa, que oferece APIs com esse propósito.

A Laura foi integrada aos sistemas dos municípios que participaram do estudo; redes sociais como o WhatsApp e o Facebook criaram extensões para o uso do chatbot. Se um sintoma fosse detectado, o usuário era direcionado a uma página da web dedicada à triagem – um formulário com termos era oferecido ao usuário.

“O uso de inteligência artificial permitiu capacitar os atendimentos de telessaúde a ajudar a resolver esse gargalo, aumentando o acesso coordenado dos pacientes ao sistema de saúde, priorizando a recomendação de buscar um hospital apenas nos casos mais graves”, disse Adriano Massuda, pesquisador da FGV EAESP e um dos autores do estudo, à Agência Bori.

Os autores do estudo concluem que o combo de telemedicina com uso de IA pode levar à universalização do acesso à Saúde no Brasil. Com base nos resultados da pesquisa, os acadêmicos recomendam o investimento em uma política nacional de transformação na área — e a criação de chatbots médicos à nível municipal.

Com informações: Agência Bori e Frontiers in Digital Health

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
1 usuário participando