Início » Aplicativos e Software » Projeto do Linux apoiado pelo Google pode impedir invasões ao Android

Projeto do Linux apoiado pelo Google pode impedir invasões ao Android

Google apoia iniciativa que propõe mudar elementos do kernel Linux com Rust, linguagem mais moderna e segura

Emerson Alecrim Por

Às vezes, melhorar um software exige um olhar para fora do ecossistema ao qual ele pertence. É o que o Google está fazendo: nesta semana, a companhia revelou que está financiando um projeto para aperfeiçoar partes do kernel Linux com a linguagem Rust. Essa mudança pode, indiretamente, aumentar a segurança do Android, do Chrome OS e até dos servidores do Google.

Android no celular (imagem ilustrativa: Denny Muller/Unsplash)

Android no celular (imagem ilustrativa: Denny Muller/Unsplash)

O Linux é baseado em C, uma linguagem de programação robusta, mas antiga: o seu surgimento ocorreu na década de 1970. No ano de 1991, quando o kernel foi lançado, a linguagem se mostrava ideal para esse tipo de projeto.

Hoje é diferente. Teoricamente, linguagens mais atuais são menos suscetíveis a hacks e vulnerabilidades. É o caso da Rust: a linguagem surgiu pelas mãos da Mozilla em 2010 e, desde então, encontra espaço em numerosos projetos por ser eficiente, versátil e confiável.

Acredita-se que esses fatores podem ser benéficos para o Linux em vários sentidos. Como já ficou claro, um deles é o da segurança. A linguagem Rust é moderna e, portanto, mais bem protegida contra determinadas formas de ataques.

Um exemplo: grande parte das ações maliciosas é executada por meio da inserção indevida de dados em áreas da memória (como o problema do buffer overflow); pois bem, a linguagem Rust é capaz de proteger o software de ataques do tipo.

Outro fator é o efeito sobre a comunidade: o suporte à linguagem Rust pode fazer o número de desenvolvedores que contribuem para o Linux aumentar consideravelmente.

Objetivo não é reescrever o kernel

O projeto apoiado pelo Google foi batizado de Rust for Linux e foi criado por membros da própria comunidade do kernel. O objetivo não é reescrever o Linux em Rust, mas partes específicas dele. Além disso, a linguagem deve ser usada para implementação de novos componentes no kernel.

Para o Google, a iniciativa é interessante porque o Linux é a base do Android e do Chrome OS. Se a linguagem Rust melhorar a segurança do kernel, esses sistemas operacionais serão beneficiados por esse avanço em algum momento. Além disso, o Google também utiliza Linux em servidores, logo, seus serviços também poderiam ser beneficiados.

Como é o apoio do Google

O Google não trabalha diretamente com o projeto. Em vez disso, a companhia apoia o Internet Security Research Group (ISRG), organização sem fins lucrativos que está por trás da autoridade certificadora Let’s Encrypt.

Por sua vez, a parceria entre Google e ISRG surge para remunerar o trabalho de Miguel Ojeda, desenvolvedor que criou o software do acelerador de partículas Grande Colisor de Hádrons e que também contribui com o Linux. A ideia, com o apoio financeiro, é permitir que Ojeda se dedique ao projeto em tempo integral.

Isso não quer dizer que todas as propostas feitas por Ojeda e os demais colaboradores do Rust for Linux serão aceitas. Obviamente, toda e qualquer mudança submetida terá que passar pela rigorosa análise da comunidade que mantém o kernel.

De todo modo, Linus Torvalds, criador e mantenedor do Linux, já deixou claro que não se opõe a mudanças que possam ser apresentadas a partir do projeto, desde que os desenvolvedores consigam comprovar as vantagens dos códigos em Rust.

Com informações: CNET.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
4 usuários participando