Início » Jogos » Estúdio de Maneater repudia comentário antiaborto de presidente da Tripwire

Estúdio de Maneater repudia comentário antiaborto de presidente da Tripwire

Executivo de estúdio faz comentários antiaborto e recebe repúdio de boa parte da indústria, além de ter contratos cancelados com produtora de Maneater

Felipe Vinha Por

John Gibson, presidente do estúdio Tripwire Interactive, do jogo Maneater, foi protagonista de uma discussão envolvendo comentários antiaborto após uma tentativa de mudança na legislação do Texas, EUA. A situação fez com que o estúdio Shipwright, responsável pelo desenvolvimento do game, viesse a público se distanciar de Gibson e também decidir cancelar o contrato com a empresa.

John Gibson, da distribuidora de Maneater, foi criticado por seus pares (Imagem: Reprodução/Twitter)
John Gibson, da distribuidora de Maneater, foi criticado por seus pares (Imagem: Reprodução/Twitter)

Atualmente no Texas, o aborto é negado depois de seis semanas de gestação, incluindo em casos mais complicados como abuso sexual ou incesto, exceto emergências médicas que colocam a vida da mãe em risco. Além disso, qualquer cidadão no estado pode ganhar até US$ 10 mil processando médicos de 24 clínicas que realizem o procedimento de forma ilegal.

A lei do Texas foi questionada na Suprema Corte dos EUA, que a manteve em vigor sem alterações. A decisão gerou polêmica e muitos se manifestaram publicamente, incluindo grandes nomes da indústria de games.

Em seu Twitter, Gibson publicou a seguinte mensagem:

“Orgulhoso pela #USSupremeCourt mantendo a lei do Texas que proíbe o aborto em bebês com batimento cardíaco. Como um artista, não me meto muito em política. Ainda assim, com tantos colegas vocais do outro lado desta questão, eu senti que era importante deixar claro que sou um desenvolvedor de jogos pró-vida”.

Gibson menciona “bebês com batimento cardíaco”, mas a lei pode se aplicar até mesmo a embriões na 6ª semana de gestação, que ainda não têm sistema cardiovascular nem coração.

Resposta da indústria

A manifestação não foi recebida por colegas de trabalho e nomes da indústria. A Shipwright Studios apresentou uma “carta de repúdio” no próprio campo de resposta de Gibson, para se posicionar a respeito, dizendo o seguinte:

“No momento em que você torna este assunto público, você envolve todos que trabalham com você. Trabalhamos de maneira próxima com desenvolvedores da Tripwire nos últimos três anos. Sabemos que é difícil que funcionários falem ou tomem atitude neste cenário e eles podem não estar confortáveis com a situação. (…) Começamos a Shipwright com o objetivo de falar pouco e agir mais. Não podemos manter a consciência tranquila enquanto continuamos a trabalhar com a Tripwire, sob esta liderança. Iniciaremos o processo de cancelamento de nossos contratos, começando de imediato”.

Outras pessoas públicas que envolvem a indústria de games se manifestaram a respeito, também nos comentários ou em suas próprias contas. O Torn Banner Studios, que trabalhou no desenvolvimento de Chivalry 2, outros game da Tripwire, igualmente condenou a declaração de Gibson. “Esta visão não é compartilhada pela nossa equipe e nem refletida nos jogos que criamos. A declaração vai contra o que acreditamos em relação ao direito das mulheres”, escreveu a empresa.

Outros que condenaram a atitude foram Cory Barlog, da série God of War, e Cliff Bleszinski, um dos criadores de Gears of War – “Cara, pode parar de me seguir agora”, disse Bleszinski, enquanto Cory comparou a política texana com a República de Gilead, regime autoritário e fictício dos livros O Conto da Aia, que inspirou a série The Handmaid’s Tale.

Com informações: VG247.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
15 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

rafael da valia silva (@rafael_da_valia_silv)

Aborto é a famosa “morte do bem”.

Rodolpho Camargo (@damagedparsley)

kkkkkkkkkkkkkkkk imagina ser patético assim com mais de 30 anos de idade?

Matheus (@mths0x5f)

Só é contra aborto em público pra se fazer de conservadorzinho. Não conheço 1 “pró-vida” que não tenha um caso íntimo com o tema. É patológico.

Fredson N Sousa (@fnsousa)

Estamos caminhado cada vez mais para a censura velada, pensou contra, tome lhe cancelamento, onde vamos parar

Anderson (@Machado009)

Velada não, censura explícita.

Luander Falqueto Beltrame (@LuanderFB)

O cara emitiu uma opinião nada desrespeitosa sobre um tema muito polêmico, olha o nível da reação do pessoal, tentando destruir a imagem e a vida financeira dele. Isso só mostra a tolerância dessa galera com opiniões diferentes.

Pedro Teles (@Pedroo_Teles)

Eu li o comentário dele e percebi que teve o máximo de cuidado ao emitir sua opinião. A grande repercussão mostra o quão hipócrita e engajada são as pessoas por trás das
grandes empresas.
Ser a favor do aborto é cool. É fácil surfar em onda de pensamento progressista. Isso não tem a ver com o mundo moderno e sim com a militância acompanhada de sensura.

Matheus Motta (@Matheus_Motta)

Bem-vindo ao Estados Unidos! Me lembrei de quando o Terry Crews falou sobre os protestos gerados pela morte de George Floyd, apareceu um monte de preto pra falar me*** pra ele

Matheus Motta (@Matheus_Motta)

Eu sou contra o conservadorismo, mas isso foi ridículo! Se a gente for viver numa sociedade onde só existe uma opinião, estaremos fod*****! Esse povo também ama encher a boca pra falar de democracia, mas sempre quando podem usam os meios mais sujos possíveis pra calar alguém.