Arquivo Internet

Uma Matrix para galinhas poderia ser a solução para a crise de alimentos?

Talvez saberíamos, se o Second Livestock fosse realidade; o projeto é uma crítica à relação entre humanos e tecnologia

Giovana Penatti
Por

As melhores ofertas,
sem rabo preso

Como resolver o problema da fome mundial, criando animais para abate em espaço reduzido e ainda assim garantindo sua saúde e qualidade de vida? O Second Livestock pode ser a solução para isso: se trata de uma proposta de fazenda futurista, que pode ser até instalada em prédios em áreas urbanas, na qual galinhas utilizam óculos de realidade virtual para se movimentarem livremente, acreditando que estão em um mundo aberto.

Parece cruel colocar as galinhas para viver em uma Matrix desde o nascimento? Sim, o negócio é assustador à primeira vista.

Mas o Second Livestock não é um projeto de verdade; trata-se de uma sátira feita pelo professor assistente da Universidade Estadual de Iowa, Austin Stewart, para criar um questionamento sobre tecnologia e a maneira que tratamos nossos animais e até nós mesmos. Ainda assim, o professor comenta a crise mundial de alimentação e a necessidade de resolver esse problema.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Apesar de não pretender tornar o Second Livestock realidade, Stewart acredita que ele pode vir a ser: “poderíamos criar a tecnologia necessária com o que temos hoje, apesar de ser muito caro para compensar. Mas, em 10 anos, ela será barata o suficiente para fazer sentido economicamente”, acredita.

Até o modelo de negócios foi pensado: a empresa arcaria com todos os custos de implantação em troca de uma porcentagem das vendas do frango, que seria vendido pelo site dela.

enclosure_detail

Quanto à qualidade de vida das aves, o próprio site explica que será desenvolvido um trabalho constante em parceria com cientistas e outros especialistas para garantir que elas sempre estejam bem. O site também expande o uso da tecnologia, levantando a ideia de permitir que seus animais de estimação fiquem em um mundo virtual quando não tem ninguém em casa ou animais em zoológicos possam viver virtualmente em seus habitats naturais.

A crítica de Stewart, no entanto, vai além das preocupações com alimentos e animais. Ele comenta que os próprios humanos vivem algo semelhante: sempre em espaços confinados, com algum aparelho que nos transporte a um mundo maior virtual – no caso, nossos computadores, tablets ou smartphones. Mais do que buscar uma solução para a fome, ele quer, utilizando as galinhas com seus bizarros óculos de realidade virtual, chamar atenção para como a tecnologia impacta nossas vidas a ponto de nos fazer viver virtualmente.

Fica a reflexão – e um teaser (obviamente fake) de como seria o mundo visto pelas galinhas no Second Livestock para você livremente fazer a interpretação entre ele e o nosso mundo virtual:

Giovana Penatti

Ex-editora

Giovana Penatti é jornalista formada pela Unesp e foi editora no Tecnoblog entre 2013 e 2014. Escreveu sobre inovação, produtos, crowdfunding e cobriu eventos nacionais e internacionais. Em 2009, foi vencedora do prêmio Rumos do Jornalismo Cultural, do Itaú. É especialista em marketing de conteúdo e comunicação corporativa.

Mais Populares

Responde

Relacionados

Em destaque