Neste final de semana, o Facebook confirmou o que alguns usuários vinham notando nos últimos dias: o mecanismo de busca da rede social deixou de exibir resultados do Bing. A decisão, colocada em prática de maneira bastante discreta, representa o fim de uma parceria que durou pelo menos dois anos.

A integração de ambos os serviços deu uma “esfriada” no início de 2013, quando o Facebook lançou o Graph Search (Busca Social), sistema de pesquisa que cruza diversos tipos de dados para ajudar o usuário a encontrar pessoas com interesses em comum, referências a locais, grupos, entre outros.

Mesmo assim, o usuário ainda podia digitar um termo no campo de busca do Facebook e clicar em “mais resultados” ou equivalente. Ao fazê-lo, o serviço abria uma página que mostrava resultados advindos do Bing.

Este modo de funcionamento já não existe. Ao insistir com uma pesquisa, o Facebook mostrará pessoas, locais, fan pages, grupos e outras informações dentro da própria rede social – por padrão, o Bing exibia páginas externas nos resultados.

Zuckerberg não quer mais saber do Bing

Zuckerberg não quer mais saber do Bing

A mudança coincide com uma recente atualização (ainda não implementada em todas as contas) que deixou o Graph Search apto a encontrar postagens antigas. Somando estes fatores, é visível que o Facebook está aproveitando a sua monstruosa base de dados para tentar manter os usuários por mais tempo na rede social.

É uma estratégia com chances substanciais de dar certo. Difícil é saber o impacto que o rompimento com o Bing causará na Microsoft. Não se sabe quanto tráfego era redirecionado para o serviço de busca, mas dada a quantidade de usuários que o Facebook possui, é de se presumir que não era um volume inexpressivo.

De qualquer modo, o Bing continua sendo o segundo motor de busca mais popular dos Estados Unidos – o mercado mais importante – com cerca de 20% de participação.

Ao comentar o assunto, a Microsoft adotou uma postura apaziguadora: “o Facebook mudou recentemente a sua experiência de pesquisa para se concentrar em ajudar usuários na localização de informações compartilhadas dentro da rede social, em vez de priorizar resultados na web. Continuamos parceira do Facebook em outras áreas”.

Com informações: Reuters, VentureBeat

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Emerson Alecrim

Emerson Alecrim

Repórter

Emerson Alecrim cobre tecnologia desde 2001 e entrou para o Tecnoblog em 2013, se especializando na cobertura de temas como hardware, sistemas operacionais e negócios. Formado em ciência da computação, seguiu carreira em comunicação, sempre mantendo a tecnologia como base. Em 2022, foi reconhecido no Prêmio ESET de Segurança em Informação. Em 2023, foi reconhecido no Prêmio Especialistas, em eletroeletrônicos. Participa do Tecnocast, já passou pelo TechTudo e mantém o site Infowester.

Relacionados