O MixRadio, serviço de streaming de música desenvolvido em 2007 pela Nokia, já pode ser usado gratuitamente por proprietários de Android e iPhone. O aplicativo, que antes era exclusivo do Windows Phone, foi lançado para as plataformas concorrentes nesta terça-feira (19), cerca de cinco meses após ser vendido pela Microsoft para o messenger japonês Line.

O serviço é um pouco diferente do Spotify ou Deezer, funcionamento de maneira semelhante ao Pandora: você informa os artistas ou gêneros que mais gosta e o MixRadio se encarrega de montar uma playlist automática. Durante a reprodução, é possível favoritar determinada música, personalizando as listas de reprodução de acordo com os seus gostos.

Um ponto bacana do MixRadio em relação aos outros serviços de streaming de música é que você pode salvar até quatro playlists (ou mixes) na memória do aparelho sem precisar pagar nenhuma assinatura. Assim, dá para ouvir as músicas sem depender da rede da operadora. O catálogo tem mais de 35 milhões de músicas, número semelhante ao dos concorrentes.

Segundo o TechCrunch, o MixRadio continuará sendo desenvolvido para Windows Phone, especialmente porque o acordo ainda é vantajoso para a empresa, uma vez que o serviço vem pré-instalado nos smartphones Lumia. Aliás, na prática, pouca coisa mudou: embora o serviço tenha sido adquirido por uma empresa japonesa, o escritório do MixRadio continua funcionando normalmente no Reino Unido.

Você pode baixar o MixRadio no Google Play e App Store.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Paulo Higa

Paulo Higa

Editor-executivo

Paulo Higa é jornalista com MBA em Gestão pela FGV e uma década de experiência na cobertura de tecnologia. Trabalha no Tecnoblog desde 2012, viajou para mais de 10 países para acompanhar eventos da indústria e já publicou 400 reviews de celulares, TVs e computadores. É coapresentador do Tecnocast e usa a desculpa de ser maratonista para testar wearables que ainda nem chegaram ao Brasil.

Relacionados