Netflix produzirá série original sobre corrupção no Brasil

Paulo Higa
Por
• Atualizado há 1 mês

A Netflix anunciou nesta sexta-feira (15) que começará a produzir uma série original para tratar da Operação Lava Jato, a maior investigação de corrupção da história do país, realizada pela Polícia Federal. Ainda sem nome definido, a série será criada e dirigida por José Padilha, com previsão de estreia para 2017.

Esta será a segunda série da Netflix produzida totalmente no Brasil, depois de 3%, que estreia ainda em 2016. Ela se soma às muitas produções originais da Netflix prometidas para breve — serão 70 somente em 2016. Como dissemos, nós podemos esperar cada vez mais produções próprias da Netflix, já que essa estratégia é mais do que a criação de um grande diferencial, é uma forma de sobreviver no mercado.

O vice-presidente de conteúdo original internacional da Netflix, Erik Barmack, diz que José Padilha tem talento em “transformar os eventos ainda em andamento em narrativas atraentes” e está “preparado para documentar este importante momento da história do Brasil”.

Segundo Padilha, que já dirigiu Narcos e Tropa de Elite, a série “vai narrar a jornada dos investigadores judiciais em revelar o maior esquema de corrupção já visto no Brasil”. Para o diretor, era fundamental que a série fosse “produzida de forma imparcial”. Ele trabalhará junto com Elena Soares, que será a responsável pelo roteiro da série.

A data de lançamento exata não foi divulgada. As filmagens da série começarão ainda este ano, com previsão de estreia para meados de 2017.

Receba mais sobre Netflix na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Paulo Higa

Paulo Higa

Ex-editor executivo

Paulo Higa é jornalista com MBA em Gestão pela FGV e uma década de experiência na cobertura de tecnologia. No Tecnoblog, atuou como editor-executivo e head de operações entre 2012 e 2023. Viajou para mais de 10 países para acompanhar eventos da indústria e já publicou 400 reviews de celulares, TVs e computadores. Foi coapresentador do Tecnocast e usa a desculpa de ser maratonista para testar wearables que ainda nem chegaram ao Brasil.

Canal Exclusivo

Relacionados