Dropbox volta atrás e diz que não vai ser dona dos arquivos dos usuários

Thássius Veloso
Por

A Dropbox se meteu em polêmica na semana passada. Ao anunciar novos termos de serviço para o backup online de arquivos, basicamente o que os usuários da Dropbox entenderam foi que a empresa poderia ser co-autora dos arquivos, bem como de suas “trabalhos derivados”. Depois de muitas reclamações (foram quase 3,5 mil comentários no comunicado sobre o assunto), a Dropbox decidiu revisar os termos de serviço.

Dropbox: reinando absoluta (enquanto iCloud não deslancha?)

Os tais trabalhos derivados seriam traduções ou conversões de formato, configurando-se também propriedade do serviço Dropbox, conforme a própria empresa explicou. O problema é que, do modo como estava escrito, dava a entender também que a Dropbox seria co-autora dos arquivos enviados para lá. Ora, isso não em nada interessante para músicos ou escritores, que dependem de sua obra para ganhar dinheiro.

“Nós sempre acreditamos que as suas coisas são suas e somente suas, e nós sabemos que muitos de vocês, como nós, vivem de seu trabalho criativo.” Em outro post, publicado hoje, foi assim que a Dropbox se posicionou sobre o assunto. “A linguagem nesta cláusula [referente às obras derivadas”] estava mais técnica do que ela precisava ser. Nós entendemos por que termos como ‘trabalhos derivados’ e ‘sublicensiável’ poderiam soar exageradamente amplos ou fora de lugar aqui”.

Para evitar maiores problemas — e depois de toda a discussão acerca de seus termos de serviço —, a Dropbox fez o favor de atualizá-los. Desde o momento em que o comunicado foi publicado, passa a valer o texto que inclui “Você detém total propriedade de suas coisas. Nós não reclamamos qualquer propriedade de nada disso. Esses Termos não nos dão nenhum direito de suas coisas ou propriedade intelectual, com exceção dos direitos limitados que se fazem necessários para oferecer os Serviços”.

Dessa fora, depois de analisar e refletir sobre as reclamações dos usuários, a Dropbox dá um passo rumo a se tornar um serviço mais aberto para críticas. Saem dessa história melhor do que entraram, sem sombra de dúvida. Ponto para eles.