Netflix vai cancelar assinaturas que ninguém está usando

Netflix vai encerrar serviço de quem assinou há um ano e não assistiu nada; medida afeta menos de 0,5% dos clientes

Felipe Ventura
Por
• Atualizado há 2 anos
Netflix

A Netflix teve o melhor trimestre de sua história e chegou a 183 milhões de assinantes até o final de março; no entanto, alguns desses clientes não usam mais o serviço de streaming. Por isso, a empresa vai enviar notificações para perguntar se eles querem continuar pagando; se não responderem, a assinatura será cancelada.

Netflix vai avisar clientes por e-mail e notificação

Existem dois casos em que a Netflix vai notificar os usuários:

  • se o cliente assinou há um ano e não assistiu nada;
  • se o cliente for mais antigo e não assistiu nada nos últimos dois anos.

A empresa vai enviar e-mails e notificações pelo aplicativo no Android e iOS a partir desta semana, perguntando se essas pessoas querem manter a assinatura; caso não respondam, o serviço será cancelado automaticamente.

Isso afetará menos de 0,5% dos assinantes da Netflix. “Nosso setor financeiro já os leva em consideração na hora de calcular nosso faturamento”, explica Eddy Wu, chefe de inovação de produto, em comunicado.

Ainda assim, 0,5% de 183 milhões de assinantes é muita coisa: isso significa que até 915 mil pessoas estão pagando sem usar o serviço de streaming.

Caso você queira reativar a assinatura da Netflix, não precisará criar outro perfil: suas informações de histórico, perfis e preferências só são removidas 10 meses após o cancelamento; essa regra vale para todo mundo.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Felipe Ventura

Felipe Ventura

Editor

Felipe Ventura fez graduação em Economia pela FEA-USP, e trabalha com jornalismo desde 2009. Começou no TB em 2017 como editor de notícias, ajudando a cobrir os principais fatos de tecnologia, e hoje coordena um time de editores-assistentes e a rotina das editorias. Sua paixão pela comunicação começou em um estágio na editora Axel Springer na Alemanha. Foi repórter e editor-assistente no Gizmodo Brasil.

Relacionados