Início / Notícias / Antivírus e Segurança /

FBI derruba serviço de VPN usado por grupos de ransomware

Operação com Europol e agência de segurança da Alemanha deu fim a VPN que garantia anonimato para crimes na internet

Victor Hugo Silva

Por

Notícia
Achados do TB Achados do TB

As melhores ofertas,
sem rabo preso 💰

Uma operação conjunta entre FBI, Europol e agências de segurança da Alemanha, França, Holanda e Suíça levou à derrubada de um serviço de VPN que oferecia apoio para práticas criminosas. Batizado de Safe-Inet, ele garantia o anonimato para grupos que pretendiam disseminar ransomware, realizar campanhas de phishing e roubar contas de terceiros.

Página da Safe-Inet mostra aviso do FBI (Imagem: Reprodução)

Página da Safe-Inet mostra aviso do FBI (Imagem: Reprodução)

A operação derrubou servidores ligados à VPN e três domínios em que o chamado serviço de hospedagem à prova de balas era oferecido. Segundo o FBI, ele foi intencionalmente criado para permitir que operações de atividades criminosas fossem realizadas sem passarem pelo radar de autoridades policiais.

“As atividades de uma hospedagem à prova de balas podem incluir ignorar ou criar desculpas em resposta a reclamações de abuso feitas pelas vítimas de seus clientes; mover contas de seus clientes e/ou dados de um endereço IP, servidor ou país para ajudá-los a evitar a detecção; e não manter registros”, explica o FBI.

Segundo a Europol, o serviço derrubado existia há mais de uma década. “Este serviço de VPN foi vendido a um preço alto para o submundo do crime como uma das melhores ferramentas disponíveis para evitar a interceptação da lei, oferecendo até cinco camadas de conexões VPN anônimas”, afirmou o órgão europeu.

Agora, quem acessa os domínios da Safe-Inet encontra avisos de que eles estão sob a custódia do governo dos Estados Unidos. As autoridades não revelaram nenhuma prisão decorrente da operação, mas o FBI destacou que, ao oferecer meios para práticas ilegais, o serviço de hospedagem tornou-se cúmplice dos cibercriminosos.

Com infomações: CNET.