Início / Notícias / Finanças /

EUA preparam sanções para combater resgates de ransomware com criptomoedas

Governo americano deverá começar a sancionar alvos específicos no mercado de criptomoedas para tentar frear seu uso em pagamentos de ransomware

Bruno Ignacio

Por

Notícia
Achados do TB Achados do TB

As melhores ofertas,
sem rabo preso 💰

O governo dos Estados Unidos está preparando uma série de sanções para dificultar o uso de criptomoedas como o bitcoin (BTC) em crimes cibernéticos, mais especificamente em pagamentos de resgate de ransomware. Segundo a administração do presidente Joe Biden, as moedas digitais têm sido um meio que vem apoiando uma crescente indústria criminosa e que, por isso, podem ser uma ameaça à segurança nacional.

Ransomware usa criptomoedas para receber pagamentos (Imagem: Tumisu/Pixabay)
Ransomware usa criptomoedas para receber pagamentos (Imagem: Tumisu/Pixabay)

Sanções devem começar já na próxima semana

Conforme foi revelado pelo Wall Street Journal nesta sexta-feira (17), o Departamento do Tesouro americano planeja impor as sanções já na próxima semana, disseram fontes familiarizadas com o assunto. Além disso, as autoridades também deverão emitir novas orientações para as empresas sobre os riscos associados à facilitação de pagamentos de ransomware, incluindo aplicação de multas e outras penalidades.

Até o final de 2021, novas regras de combate à lavagem de dinheiro e financiamento do terrorismo também vão incluir as criptomoedas, buscando limitar seu uso como mecanismo de pagamento usado por criminosos, principalmente em ataques de ransomware. Até o momento, trata-se da iniciativa mais significativa já tomada pelo governo americano contra o uso de moedas digitais em prol da segurança cibernética nacional.

Ao Wall Street Journal, algumas fontes relatarem que o governo americano vê os ataques de ransomware como uma “séria ameaça” à infraestrutura do país, principalmente quando criminosos atacam operadoras de energia, hospitais e bancos, por exemplo.

Medidas não devem afetar todo o setor

Contudo, nem as fontes ouvidas pelo veículo e nem o Departamento do Tesouro dos Estados Unidos comentaram sobre os alvos das sanções que serão aplicadas. Contudo, espera-se que as autoridades americanas interrompam de alguma forma o fluxo de transações de criptomoedas voltado para atividades criminosas.

Para isso, seria necessário identificar as carteiras digitais que recebem as transações de resgate, as plataformas que ajudam a converter os pagamentos e ocultar os rastros no blockchain e muitas outras ações difíceis de ser aplicadas.

Contudo, as sanções deverão selecionar alvos específicos, em vez de atingir toda o mercado de criptomoedas e estrutura onde as transações de ransomware são suspeitas de ocorrer.

Ransomware chama a atenção para criptomoedas

Criptomoedas (imagem:WorldSpectrum/Pixabay)
Criptomoedas (Imagem: WorldSpectrum/Pixabay)

O governo americano vem tentando combater o problema principalmente depois de ataques grandiosos que ocorreram nos últimos meses, todos relacionados a grupos criminosos que possivelmente estão sediados na Rússia.

Em uma dessas invasões à Colonial Pipeline, os criminosos travaram o sistema da empresa e levaram ao fechamento de um importante oleoduto de combustível dos Estados Unidos. Além disso, as demandas de pagamento dos hackers têm crescido cada vez mais e agora rotineiramente podem chegar à casa de dezenas de milhões de dólares.

Para ajudar a tornar esse setor mais seguro, legisladores e reguladores estão elaborando novas regras, incluindo novos requisitos declaratórios ao Departamento do Tesouro para transações internacionais de criptomoedas. Essas diretrizes têm como objetivo aumentar a transparência, o que alguns funcionários de segurança argumentam que impedirá transações de indivíduos que desejam que suas atividades ilícitas permaneçam ocultas.

O Tesouro americano e outras agências nacionais também têm aplicado penalidades e sanções contra indivíduos e empresas que acabaram facilitando, deliberadamente ou não, o financiamento ilícito com moedas digitais.

Com informações: Wall Street Journal