Início / Notícias / Internet /

Por piada ofensiva, usuário do Twitter fará 150h de serviço comunitário

Tweet trazia uma piada sobre a morte de um oficial do exército britânico que ficou conhecido por arrecadar fundos ao NHS na pandemia

Bruno Gall De Blasi

Por

Notícia
Achados do TB Achados do TB

As melhores ofertas,
sem rabo preso 💰

Além dos vídeos de gatinhos, o Twitter possui um acervo de memes de respeito. Mas nem sempre as brincadeiras são de bom-tom e têm um final feliz: um usuário do Reino Unido foi condenado a 150h de serviço comunitário por uma piada ofensiva na rede social. A sentença foi dada nesta semana após Joseph Kelly fazer um trocadilho com a morte de um oficial do exército britânico.

Após fazer piada ofensiva, usuário do Twitter da Escócia é condenado a 150h de serviço comunitário (Imagem: Vitor Pádua / Tecnoblog)
Após fazer piada ofensiva, usuário do Twitter da Escócia é condenado a 150h de serviço comunitário (Imagem: Vitor Pádua / Tecnoblog)

A brincadeira infame aconteceu em fevereiro do ano passado. No tweet, Kelly decidiu fazer uma piada com o capitão Sir Tom Moore, que ficou conhecido por dar cem voltas no quintal no seu aniversário de 100 anos. Com o feito, o oficial arrecadou mais de 32 milhões de libras esterlinas para o NHS, o sistema público de saúde do Reino Unido, durante a pandemia de COVID-19.

Evidentemente, o feito chamou a atenção de todo o reino. Até a rainha Elizabeth ficou comovida com o feito e concedeu o título de cavaleiro ao capitão como reconhecimento pela sua atitude. Mas o senhor de 100 anos, infelizmente, faleceu em fevereiro de 2021, o que acarretou uma piada no Twitter do escocês Joseph Kelly, de 36 anos:

“The only good Brit soldier is a deed one, burn auld fella buuuuurn”, afirmou.

“O único bom soldado britânico é um feitor, queime velho, queeeeeeime”, em tradução livre.

Capitão Tom Moore ganhou o título de cavaleiro da rainha Elizabeth após ajudar na luta contra a COVID-19 (Imagem: Reprodução/Geograph)
Capitão Tom Moore ganhou o título de cavaleiro da rainha Elizabeth após ajudar na luta contra a COVID-19 (Imagem: Reprodução/Geograph)

Publicação no Twitter foi “grosseiramente ofensiva”

O tweet foi removido vinte minutos após a publicação. Mas o estrago já estava feito: no mesmo mês, Kelly quase acabou na prisão devido à publicação “grosseiramente ofensiva”. De lá para cá, o escocês encarou um longo julgamento, até ser condenado nesta quarta-feira (30), segundo o jornal local The National.

A sentença partiu do xerife Adrian Cottam. O jornal explica que Kelly encontrou uma alternativa para evitar a prisão: o escocês terá de fazer 150 horas de trabalho comunitário e arcar com 18 meses de supervisão como punição. Para Cottam, a punição deve agir como um dissuasor para que outros não cometam o mesmo ato:

“Minha opinião é que, após ouvir as evidências, este foi um tweet grosseiramente ofensivo”, disse Adrian Cottam. “A dissuasão é realmente para mostrar às pessoas que, apesar dos passos que você deu para tentar recobrar a consciência, assim que você pressionar o botão azul [para publicar o tweet], foi publicado. É importante que outras pessoas percebam a rapidez com que as coisas podem sair do controle. Você é um bom exemplo disso, mesmo não tendo muitos seguidores.”

Defesa do autor do tweet afirma que Joseph Kelly estava bêbado na hora da publicação (Imagem: Reprodução)
Defesa do autor do tweet afirma que Joseph Kelly estava bêbado na hora da publicação (Imagem: Reprodução)

Defesa explica que autor do tweet estava bêbado

Obviamente, o autor do tweet se defendeu perante à corte. Segundo o advogado Tony Callahan, o escocês Joseph Kelly não tinha muitos seguidores na época e não tinha noção de que a publicação teria o alcance que teve. A defesa também argumentou que Kelly estava bebendo naquele momento:

“Ele aceita que estava errado. Ele não previu o que aconteceria. Ele tomou medidas quase imediatamente para excluir o tweet, mas o gênio estava fora da garrafa até então”, afirmou. “Seu nível de criminalidade era um post bêbado, em um momento em que ele estava lutando emocionalmente, do qual se arrependeu e removeu quase instantaneamente.”

A justificativa, no entanto, não foi suficiente para derrubar a condenação integralmente. O jornal escocês ainda aponta que, após a condenação, o xerife Cottam relembrou que o capitão Tom Moore tornou-se um herói nacional por defender a resiliência do povo que lutava contra a pandemia e os serviços que tentavam protegê-los:

“Sua estatura e a visão da sociedade em relação a ele devem ser vistas sob essa luz e, portanto, qualquer comentário da mesma forma”, concluiu. “O que o acusado escolheu escrever, quando e como foi dito, só pode ser considerado grosseiramente ofensivo.”

Com informações: The Verge