Homem denuncia que teve braço queimado por Galaxy Watch enquanto dormia

Cliente disse ter entrado em contato com o suporte da Samsung, mas não obteve uma resposta imediata; segundo ele, empresa prometeu respondê-lo "em breve"

Yan Avelino
Por

Um homem denunciou que teve o braço queimado por um Galaxy Watch Active 2. De acordo com ele, o relógio superaqueceu e causou um ferimento de terceiro grau enquanto dormia. O usuário entrou em contato com a Samsung para tentar entender o que pode ter causado o problema, mas a empresa ainda não se posicionou.

E este é o Galaxy Watch de 46 mm
Samsung Galaxy Watch de 46 mm (Imagem: Divulgação/Samsung)

O assunto veio à tona nesta segunda-feira (19) em um tópico do Reddit. Segundo o usuário, o Galaxy Watch Active 2 de 44 mm estava em seu pulso enquanto dormia.

Ele alega que durante o monitoramento do sono, os sensores presentes na parte inferior do relógio teriam superaquecido e causado uma queimadura, segundo ele, de terceiro grau.

De acordo com o Ministério da Saúde, queimaduras desse tipo afetam todas as camadas da pele e são indolores, sendo esse o possível motivo pelo qual o homem só viu o ferimento quando acordou.

Na discussão compartilhada na rede social, o usuário publicou também duas fotos do ferimento: uma do dia em que aconteceu e outra alguns dias depois, já um pouco melhor.

O cliente disse que entrou em contato com o suporte da Samsung, mas não teve uma resposta imediata. Segundo ele, a empresa prometeu respondê-lo “em breve”.

O TechRadar também procurou a companhia, mas até o momento da publicação desta matéria a Samsung não havia respondido sua solicitação.

Dispositivos da Fitbit também causavam queimaduras

Em março deste ano, a Fitbit, subsidiária do Google, anunciou um recall dos relógios da linha Ionic, lançada em 2017, depois de receber acusações do mundo inteiro.

Ao todo, foram 174 queixas que a empresa recebeu. Destas, 115 eram dos EUA e 59 eram de outros países. Vale ressaltar que todas denunciavam o mesmíssimo problema: que a bateria do relógio superaquecia a ponto de causar queimaduras de terceiro grau.

O problema foi tão grave que a nota em que a Fitbit solicitava o recall dos vestíveis alertava também que os usuários deixassem deixar de usá-lo imediatamente.

Fitbit Ionic

Ainda que não saibamos o que realmente aconteceu com o relógio da Samsung, vale lembrar que o Galaxy Watch Active 2 foi lançado há três anos e seu uso intenso pode ter causado algum problema na bateria.

No entanto, essa não é a primeira vez que a sul-coreana recebe denúncias de queimaduras. Já existe até uma investigação buscando reunir pessoas que já se queimaram ou se feriram com os Galaxy Watches. O objetivo do grupo é entrar com uma ação coletiva contra a Samsung.

Aguardemos, portanto, um comunicado oficial da companhia para saber possíveis causas do superaquecimento, como ela pretende lidar com isso e se o episódio foi apenas algo pontual.

Com informações: TechRadar