Review Samsung Galaxy Watch 4: para quem está no ecossistema

Agora com Wear OS 3, do Google, Samsung Galaxy Watch 4 é um smartwatch para quem está no ecossistema da marca

Darlan Helder
Por
Samsung Galaxy Watch 4 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Samsung Galaxy Watch 4 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

O ecossistema Android ainda é muito carente de smartwatches confiáveis e integráveis para bater de frente com o Apple Watch. Desde que adotou o novo Wear OS 3, numa parceria com o Google, a Samsung parece estar disposta a mudar esse cenário e isso começa com o Galaxy Watch 4. Por fora, nós temos belas cores, porém nenhuma alteração radical no formato circular tradicional.

Por dentro, um novo software, com a promessa de maior integração com o mundo Galaxy, além de uma melhor eficiência energética, desempenho superior e, claro, experiência aprimorada com aplicativos de terceiros. Como será que o Galaxy Watch 4 se sai? Eu usei o mais recente smartwatch da Samsung e conto as minhas impressões neste review.

Análise do Galaxy Watch 4 em vídeo

YouTube video

Aviso de ética

O Tecnoblog é um veículo jornalístico independente que ajuda as pessoas a tomarem sua próxima decisão de compra desde 2005. Nossas análises não têm intenção publicitária, por isso ressaltam os pontos positivos e negativos de cada produto. Nenhuma empresa pagou, revisou ou teve acesso antecipado a este conteúdo.

O Galaxy Watch 4 foi fornecido pela Samsung por empréstimo e será devolvido à empresa após os testes. Para mais informações, acesse tecnoblog.net/etica.

Design e tela

Partindo do design, a Samsung manteve a proposta circular de outras gerações. Mesmo assim, o Galaxy Watch 4 ainda é um relógio que se mostra moderno e mais despojado quando comparado ao Galaxy Watch 3.

Samsung Galaxy Watch 4 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Samsung Galaxy Watch 4 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Seu formato lembra o Watch Active 2, modelo que apresenta as mesmas características deste relógio analisado. Ambos são capazes de agradar aquelas pessoas que usam roupas mais sérias, mas também aquelas que curtem vestimentas casuais. Vale notar que o vestível não recebeu a coroa giratória. Se você faz questão dela, então terá que ir para o Watch 4 Classic que, sim, esse tem uma aparência “mais formal”.

Eu testei a versão escurecida, mas também já tive a oportunidade de usar a prateada, que é a minha cor preferida por casar muito bem com a pulseira branca.

Samsung Galaxy Watch 4 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Samsung Galaxy Watch 4 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Samsung Galaxy Watch 4  e Apple Watch Series 6 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Samsung Galaxy Watch 4 e Apple Watch Series 6 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Nós recebemos a unidade maior, de 44 mm, que ficou muito confortável no meu pulso fino. Para quem prefere modelos menores, a fabricante comercializa uma versão de 40 mm. A caixa do relógio tem um belo acabamento em alumínio com resistência à água a até 5 ATM. Além disso, a Samsung oferece aqui proteção militar (MIL-STD-810G), para maior tranquilidade do usuário durante as atividades físicas.

A tela de 1,4 polegada é Super AMOLED com brilho forte e excelente definição graças à resolução 450 x 450 pixels. Seja em ambientes abertos ou fechados, o painel consegue entregar uma ótima visualização em qualquer condição. Os elementos e ícones também são ótimos e se adaptaram bem na tela redonda.

Samsung Galaxy Watch 4 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Samsung Galaxy Watch 4 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Software

A partir deste relógio, a Samsung deixa o Tizen de lado para abraçar o Wear OS com interface One UI Watch. Essa adoção faz o dispositivo da coreana ter um melhor desempenho, com autonomia de bateria aprimorada, e um amplo acesso a aplicativos de terceiros, que sempre foi o grande gargalo de relógios que não rodam watchOS. Spotify, YouTube Music, Google Maps, Strava, Adidas Running, Calm e Shazam são alguns dos apps disponíveis na Play Store do Galaxy Watch 4.

Samsung Galaxy Watch 4 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Samsung Galaxy Watch 4 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Já faz um tempo que a Samsung começou a envelopar o ecossistema Galaxy. Devido a isso, quem está imerso nos produtos dela se beneficia de uma experiência mais precisa. Eu até tentei usar o Watch 4 num iPhone com o aplicativo oficial, mas a integração é tão complexa que preferi não seguir. Já com um Galaxy S21 FE em mãos, eu pude ter facilmente todos os dados detalhados dos meus treinos e de saúde.

Para facilitar o overview das métricas, a Samsung deveria unir os aplicativos Samsung Health e Health Monitor. Na concorrência não é diferente: seria interessante se a Apple levasse o app Watch para o Saúde.

Recursos de saúde e exercícios físicos

Samsung Galaxy Watch 4 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Samsung Galaxy Watch 4 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Como um bom smartwatch, o Galaxy Watch 4 oferece recursos úteis de saúde: dá para monitorar os batimentos cardíacos, a saturação de oxigênio no sangue, a qualidade do sono, fazer um eletrocardiograma (ECG), averiguar a pressão arterial e a bioimpedância, que é uma novidade no relógio da empresa. Por meio dos dedos anelares, a função consegue checar e exibir a porcentagem de gordura corporal, IMC, água corporal, entre outros detalhes.

É importante ter em mente que, embora seja muito útil, ele não é uma ferramenta de diagnóstico. Os números e até o processo de análise do relógio me pareceram confiáveis, mas é difícil acreditar plenamente sem que outros equipamentos profissionais pudessem atestar a confiabilidade do vestível da Samsung. E fica a observação: esse cuidado vale para qualquer smartwatch.

Samsung Galaxy Watch 4 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Samsung Galaxy Watch 4 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Samsung Health Monitor (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Samsung Health Monitor (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

O eletrocardiograma apresentou desempenho satisfatório com resultados sempre semelhantes ao do Apple Watch Series 6, usado para comparação. Eu só fiquei decepcionado com o monitoramento de pressão arterial, que simplesmente não funcionou durante os meus testes. Sem mais informações, o aplicativo Health Monitor apenas exibia a mensagem de que “o serviço não está disponível”.

Samsung Galaxy Watch 4 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Samsung Galaxy Watch 4 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

O leitor de batimentos cardíacos gerou críticas no review do Galaxy Watch 3 por apresentar falhas, especialmente durante os treinos. Na geração atual, eu não presenciei leituras imprecisas. A Samsung diz que o aparelho agora tem um novo chip, BioActive, que atua “precisamente” no monitoramento cardíaco, no ECG e na composição corporal.

Para quem pratica atividades físicas, o Galaxy Watch 4 oferece uma série de recursos e dados. São mais de 90 modos de treino, mas seria melhor se a fabricante deixasse todos eles acessíveis num menu na galeria de apps. Eu sempre levava muito tempo para iniciar o acompanhamento.

Samsung Health (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Samsung Health (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Um ponto de destaque são as métricas detalhadas. Durante uma caminhada, o GPS foi preciso ao não apresentar rotas erradas, e eu ainda posso verificar o ritmo do treino além de cadência, elevação e batimentos cardíacos. Além de ser muito completo no compartilhamento de informações, o app Samsung Health lhe concede troféus que estimulam a prática de exercícios físicos regularmente.

Samsung Galaxy Watch 4 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Samsung Galaxy Watch 4 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Bateria

A bateria do Galaxy Watch 4 não chega a durar uma semana, mas também não repete o desempenho vergonhoso do Apple Watch. Em dias tranquilos, sem treino, o vestível da Samsung durava em média dois dias comigo; é justamente o tempo prometido pela empresa. A versão de 44 mm testada pelo Tecnoblog tem uma célula com capacidade de 361 mAh. Mas o modelo de 40 mm traz um componente de 247 mAh.

A adoção ao Wear OS 3 realmente trouxe benefícios na prática. E, embora não entregue uma autonomia capaz de surpreender qualquer usuário, o dispositivo da sul-coreana vai melhor do que outros smartwatches populares.

Galaxy Wearable (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Galaxy Wearable (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Ainda são interessantes as informações de consumo e estimativa de duração no aplicativo Galaxy Wearable — sim, ainda há outro app. Nele, além da porcentagem, eu consigo visualizar mais ou menos quantos dias faltam para o relógio perder a carga e o consumo de cada app.

Samsung Galaxy Watch 4: vale a pena?

Samsung Galaxy Watch 4 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Samsung Galaxy Watch 4 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

De longe, o Galaxy Watch 4 parece ser o smartwatch perfeito para quem está no mundo Android. As gerações passadas até se apresentavam como a escolha certa para quem não liga para a Apple e seu Watch. Mas não se engane. O atual relógio da sul-coreana é bem diferente e se mostra a compra certa para quem está no ecossistema Galaxy.

Samsung Galaxy Watch 4 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Samsung Galaxy Watch 4 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Assim como o Apple Watch funciona melhor nos iPhones, o Galaxy Watch 4 vai operar precisamente nos celulares da Samsung. É uma estratégia que não agrada todo mundo, porém ela faz muito sentido para a marca e seus fãs. O Galaxy Watch 4 não é o melhor smartwatch do mercado, mas a decisão de embarcar no Wear OS mostra que a Samsung está no caminho certo e pretende mudar o cenário em poucos anos.

O relógio tem um software bonito e com um bom acesso a apps, não há limitações para quem pratica exercícios físicos e a bateria é um ponto de destaque. Apesar do meu desapontamento com a inatividade da análise de pressão arterial, as demais funcionalidades voltadas para saúde são bem úteis. Dito isso, eu não indicaria o Watch 4 para todo mundo, mas se você é dono de um Galaxy, esse é o relógio ideal.

Relacionados

Relacionados