Microsoft anuncia acordo de 10 anos com a Nintendo por Call of Duty

Compromisso só será oficializado após empresa finalizar a compra da Activision Blizzard, ainda não aprovada por órgãos reguladores antitruste

Paula Alves
Por

Nesta terça-feira (7), Phil Spencer, chefe da divisão do Xbox, anunciou que a Microsoft irá firmar um acordo de 10 anos com a Nintendo para levar Call of Duty para seus consoles, caso a empresa consiga finalizar a aquisição da Activision Blizzard. Além disso, a gigante de software também se comprometeu a continuar a oferecer novas versões do jogo para o Steam, em simultâneo ao seu lançamento no Xbox.

Microsoft anuncia acordo de 10 anos com Nintendo por Call of Duty / Activision / Divulgação
Call of Duty: Modern Warfare II (Imagem: Divulgação / Activision)

A notícia foi dada poucos dias após Brad Smith, presidente da Microsoft, contar no The Wall Street Journal que a empresa também havia oferecido um acordo de 10 anos do jogo para o PlayStation. Segundo o executivo, caso a aquisição fosse concluída, a Microsoft disponibilizaria cada novo lançamento de Call of Duty no console da Sony, no mesmo dia em que ele chegasse ao Xbox.

Embora a detentora do PlayStation não tenha se pronunciado publicamente sobre a oferta, é sabido que uma novela entre as empresas tem se desenrolado desde janeiro, quando veio a público a notícia da compra da Activision Blizzard.

Enquanto desenvolvedoras como a Nintendo e a Ubisoft não se mostraram contrárias ao negócio, a Sony expressou suas preocupações com a aquisição desde o início, se tornando uma pedra no sapato da empresa de software.

“A Sony emergiu como o maior opositor [da aquisição da Activision]. Ela está tão empolgada com esse acordo quanto a Blockbuster com a ascensão da Netflix”, disparou Brad Smith em seu texto no WSJ.

Segundo o empresário, o principal risco levantado pela Sony seria o de que a Microsoft deixaria de disponibilizar Call of Duty no PlayStation. O que, segundo ele, seria uma medida economicamente irracional.

“Uma parte vital da receita de Call of Duty vem das vendas de jogos do PlayStation. Dada a popularidade do crossplay, isso também seria desastroso para a franquia Call of Duty e para o próprio Xbox, alienando milhões de jogadores”, explicou.

Acordos pressionam Sony e tentam convencer reguladores 

Os acordos firmados entre a Microsoft com a Nintendo e a Valve mostram que a empresa tem tentado mostrar para a indústria que não há motivo para preocupações em relação à aquisição da Activision.

Se por um lado, as parcerias pressionam a Sony para concordar com a proposta – eliminando assim seu argumento de que a Microsoft exigiria uma exclusividade da franquia no mercado –, por outro tentam convencer os órgãos reguladores antitruste a aceitarem a transação.

Phil Spencer, CEO da Microsoft Gaming (Imagem: Divulgação/Microsoft)
Phil Spencer, CEO da Microsoft Gaming (Imagem: Divulgação/Microsoft)

É importante lembrar que, enquanto países como o Brasil aprovaram a compra sem restrições, outros mercados se mostraram preocupados com o negócio e vêm investigando as possíveis implicações que uma movimentação como essa representaria para a indústria.

Além das questões sinalizadas pela Autoridade de Concorrência e Mercados do Reino Unido (CMA), a qual a Microsoft disse serem “dúvidas despropositadas”, boatos também apontam que a FTC (Federal Trade Commission), agência antitruste dos Estados Unidos, pode contestar a transação.

De acordo com a Bloomberg, representantes da Microsoft e da FTC devem se reunir nesta quarta-feira para que a empresa possa sinalizar suas intenções a respeito da compra e a agência chegar a um veredito sobre sua decisão.

Com informações: The Verge, The Wall Street Journal, Variety e Bloomberg

Relacionados

Relacionados