SpaceX pede autorização para operar em redes celulares da T-Mobile

Proposta da SpaceX também expande funcionamento da parceria; FCC precisa aprovar uso das antenas para frequência de 1,9 GHz

Felipe Freitas
Por

A SpaceX entrou com um pedido de liberação de antenas com conexão para celulares em seus satélites de segunda-geração. A proposta ainda será avaliada pela FCC, órgão fiscalizador de telecomunicações nos Estados Unidos, mas a empresa já teve o lançamento de 7.500 satélites aprovados pelo órgão. Estes equipamentos terão suporte para conexão da rede T-Mobile, companhia telefônica americana.

CEOs da T-Mobile e SpaceX
T-Mobile e SpaceX anunciam parceria (Imagem: Divulgação)

A primeira autorização aprovada pela FCC não inclua a operação na frequência de 1,9 GHz, usada pela T-Mobile. A instalação de uma segunda antena aumentará o tamanho do satélite, porém permitirá que a empresa atenda outras companhias telefônicas.

Promessa de sinal de celular em qualquer lugar até 2024

De acordo com a SpaceX, 2.000 satélites Starlink de segunda geração (que terão a antena de rede celular) são o suficiente para entregar cobertura em toda a Terra até 2024.

Os satélites de segunda geração funcionarão como uma antena na baixa órbita da Terra. E antes de entregar sinal em todo o planeta, é necessário que a SpaceX cumpra a sua parceria com a T-Mobile. Em um primeiro momento, além de só estar disponível para uma companhia, a cobertura focará em resolver os pontos mortos nos Estados Unidos — incluindo o Havaí, Alaska e Porto Rico.  

Essa primeira “versão” da rede celular permitirá que os smartphones também utilizem uma rede móvel com velocidade de upload de até 7,2 Mpbs e 18,3 Mbps de download. A primeira etapa do serviço deve fornecer apenas mensagens de textos.

Satélite Starlink, da SpaceX
Satélite Starlink, da SpaceX (Imagem: Divulgação/SpaceX)

Clientes da T-Mobile não precisarão atualizar seus smartphones

O pedido da SpaceX propõe usar as faixas de 1.910 MHz/1.915 MHz e 1.990 MHz/ 1.995 MHz. Estas são as frequências na qual a T-Mobile já opera, o que não exigirá que os clientes mudem os seus aparelhos para utilizar o novo serviço — sem custo adicional nos planos da companhia.

Ainda há a possibilidade de dispositivos inteligentes, ampliando as possibilidades de uso da conexão.

Todavia, o tempo para a FCC aprovar o pedido da SpaceX não será a “luz verde” para o início das operações. E não falo apenas do fato que os satélites precisam ser lançados.

A tecnologia dessas antenas ainda precisa ser aprimorada para diminuir o delay das conexões. Como explicou Mike Sievert, CEO da T-Mobile, uma mensagem demoraria aproximadamente 30 minutos para chegar no destinatário. O papel de resolver isso ficará a cargo da SpaceX.

Com informações: Space News, PC Mag e CNet

Relacionados

Relacionados