Facebook suspende Instagram Kids após polêmica sobre saúde mental de jovens

Facebook foi criticado recentemente por pesquisa que aponta que Instagram prejudica saúde mental de adolescentes

Emerson Alecrim
Por
• Atualizado há 6 meses
App do Instagram (Imagem: Brett Jordan/Unsplash)
Aplicativo do Instagram (imagem: Brett Jordan/Unsplash)

Se você não sabia, saiba agora: sem fazer barulho, o Facebook vinha desenvolvendo o Instagram Kids. Como o nome aponta, essa seria uma versão do Instagram focada em crianças (de 10 a 12 anos de idade). A companhia já tinha sido criticada por isso, mas, coincidência ou não, decidiu suspender o projeto nesta segunda-feira (27) após outra polêmica.

Instagram e saúde mental de adolescentes

Ainda que de modo indireto, essa história começa em 14 de setembro, quando o Wall Street Journal publicou uma reportagem a respeito de um estudo executado pelo próprio Facebook que indica que o Instagram pode ser prejudicial para a saúde mental de adolescentes.

Na verdade, dependendo da forma ou da frequência de uso, todas as redes sociais podem ser prejudiciais a pessoas de qualquer idade. Mas olhar com mais atenção para a relação de jovens com o Instagram é necessário por uma simples razão: esse público é muito presente na rede social.

A reportagem aponta que, só nos Estados Unidos, 40% dos usuários do Instagram têm menos de 22 anos de idade. Como uma parcela significativa deles não acessa o Facebook, é importante para a companhia de Mark Zuckerberg manter os jovens ativos no Instagram.

Uma das maneiras de se fazer isso é refinando os algoritmos de recomendação de conteúdo. Os problemas ganham forma nesse ponto: a aba Explorar do Instagram, por exemplo, tem um grande potencial para sugerir conteúdo prejudicial.

Com base em consultas com usuários adolescentes nos Estados Unidos e no Reino Unido, o Facebook constatou que mais de 40% das jovens que se consideram pouco atraentes começaram a ter esse tipo de sentimento no Instagram.

O estudo também mostra que 32% das meninas reconheceram que, quando sentem-se mal com seus corpos, o Instagram faz esse sentimento piorar. Meninos também são afetados: 14% deles admitiram que o uso da rede social piora sentimentos sobre si mesmos.

Há outros números preocupantes encontrados na pesquisa, por exemplo: 13% dos usuários adolescentes britânicos e 6% dos usuários americanos que tiveram pensamentos suicidas disseram que esses impulsos estão relacionados ao Instagram.

Reduzir o uso ou abandonar a rede social é o caminho mais trivial para o enfrentamento do problema. Mas os jovens, principalmente, as adolescentes, relatam dificuldades para largar o Instagram. Não surpreende: essa e outras redes sociais são feitas para serem “viciantes”.

Instagram (imagem: Unsplash/Solen Feyissa)
Instagram (imagem: Unsplash/Solen Feyissa)

Facebook desiste do Instagram Kids — por enquanto

Em comunicado oficial, o Facebook conta que a ideia de desenvolver uma experiência do Instagram para pessoas com menos de 13 anos surgiu a partir da percepção de que crianças estão tendo acesso cada vez mais cedo a celulares e, em razão disso, baixando aplicativos destinados a usuários com mais idade.

De acordo com o Facebook, o Instagram Kids virá com controle parental, não terá anúncios e somente exibirá conteúdo adequado para a idade (de 10 a 12 anos), por exemplo.

Mas especialistas enxergam a proposta com desconfiança pelo temor de que esse público possa, entre outros aspectos, ser prejudicado pela dinâmica de retenção de usuários da rede social. A reportagem do Wall Street Journal serviu para intensificar essa preocupação.

Apesar de a versão para crianças receber críticas há meses, o Facebook decidiu interromper o desenvolvimento do Instagram Kids duas semanas após a reportagem. A empresa afirma que a decisão foi tomada para que a sua equipe tenha mais tempo para trabalhar com pais, especialistas e autoridades no desenvolvimento do projeto, não como forma de reconhecimento de que os críticos estão certos.

O projeto foi adiado, portanto, não cancelado. Em um trecho do comunicado, o Facebook compara a ideia às opções equivalentes de outros serviços populares:

Nós não somos a única empresa a pensar dessa forma. Nossos colegas reconheceram esses problemas [acesso a conteúdo inapropriado para a idade] e desenvolveram experiências para crianças. YouTube e TikTok têm versões de seus aplicativos para usuários com menos de 13 anos.

Facebook diz que Instagram não prejudica adolescentes

No mesmo comunicado, o Facebook deixa implícito que paralisar o desenvolvimento do Instagram Kids não tem relação com a reportagem do Wall Street Journal. O texto tem um link para outra nota recente. Nesta, a companhia afirma que os aspectos apontados pelo jornal não foram devidamente contextualizados.

A empresa explica que a pesquisa evidenciou que o uso do Instagram é positivo para adolescentes em 11 de 12 pontos sobre bem-estar abordados e que o tópico sobre sobre percepção corporal foi o único com impacto negativo.

Apesar disso, o Facebook ressalta que o levantamento não mediu as relações casuais entre o Instagram e problemas do mundo real, e que o intuito da pesquisa é descobrir e minimizar o que há de ruim no serviço para, ao mesmo tempo, maximizar o que há de positivo.

Receba mais sobre Meta na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Emerson Alecrim

Emerson Alecrim

Repórter

Emerson Alecrim cobre tecnologia desde 2001 e entrou para o Tecnoblog em 2013, se especializando na cobertura de temas como hardware, sistemas operacionais e negócios. Formado em ciência da computação, seguiu carreira em comunicação, sempre mantendo a tecnologia como base. Em 2022, foi reconhecido no Prêmio ESET de Segurança em Informação. Em 2023, foi reconhecido no Prêmio Especialistas, em eletroeletrônicos. Participa do Tecnocast, já passou pelo TechTudo e mantém o site Infowester.

Relacionados